Itaipava De Som a Sol

Os vencedores e controvérsias do Grammy 2018


O Grammy Awards aconteceu na noite passada e apesar das escolhas óbvias, causou muita polêmica. Com favoritas como Kesha e Lorde sendo esnobadas e nomes masculinos como Bruno Mars e Ed Sheeran, a edição deste ano ganhou o grande destaque de ser uma das mais esquecíveis da história. Ainda assim, tivemos momentos de luz, como o discurso de Camila Cabello, a performance de Kesha entre outros. Confira nossos comentários!

Álbum do Ano, Gravação do Ano, Música do Ano, Melhor Performance R&B, Melhor Música R&B, Melhor Álbum R&B e Melhor Engenheiro de Álbum Não-Clássico

Muitas categorias, né? Pois é, Bruno Mars levou o prêmio disso tudo.
Por mais controversa que tenha sido a vitória de Bruno na principal categoria, inesperado é que não foi. Jamais a academia daria o prêmio para Lorde, que teve zero impacto comercial (apesar da aclamação crítica) ou até Kendrick, que tem zero impacto midiático internacional. Por mais que em categorias específicas prêmios tenham sido dados, nas principais é sempre difícil prever (vide Beck). Na aposta previsível, fica mesmo com o Bruno. Lamentável que tenha sido com um trabalho tão fraco, no entanto.

Sobre “That's What I Like” não há discussão. A música é incrível, um dos maiores sucessos da década - aqui, e só aqui, Bruno provou merecer o que ganhou.

Já a vitória da canção “24K Magic”, não há muitos argumentos que consigam defender, a faixa definitivamente não convence, nem mesmo ganhando o prêmio.


Artista Revelação

Khalid
Lil Uzi Vert
Alessia Cara
Julia Michaels
SZA

Ainda que SZA e Julia Michaels soem como opções mais interessantes, não há como desmerecer o prêmio dado a Alessia. A cantora conquistou inúmeros hits, unindo talento com uma sinceridade única. Seu carisma é indiscutível e é muito gratificante que ela tenha ganho esse prêmio.


Melhor Álbum Vocal Pop

Kaleidoscope EP – Coldplay
Lust for Life – Lana Del Rey
Divide – Ed Sheeran
Evolve – Imagine Dragons
Rainbow – Kesha
Joanne – Lady Gaga

É muito triste que álbuns com grandes motivações - tais como Rainbow, Lust For Life ou até o estranho e bagunçado Joanne tenham perdido para um som tão ruim. Quando criticamos Ed Sheeran, não é porque ele é ruim. É porque ele se vendeu como algo ruim para aumentar seu público. Sem musicalidade, com composições pobres e pouca inspiração, é muito frustrante ter ele na vitória dessa categoria.





Melhor Performance Pop Solo

"Love So Soft" – Kelly Clarkson
"Praying" – Kesha
"Shape of You" – Ed Sheeran
"Million Reasons" – Lady Gaga
"What About Us" – Pink

Só nos resta lamentar, tal qual a categoria acima. #JusticeForKesha


Melhor Performance de Rock

"Run" - Foo Fighters
"The Promise" - Chris Cornell
"You Want It Darker - Leonard Cohen
"No Good" - Kaleo
"Go To War" - Nothing More

Não há como tirar o mérito de Leonard Cohen pela vitória, mas Chris Cornell e Foo Fighters mereciam o prêmio tanto quanto.


Melhor Canção de Rock

"Blood in the Cut" - K.Flay
"Atlas, Rise!" - Metallica
"Run" - Foo Fighters
"Go To War" - Nothing More
"The Stage" - Avenged Sevenfold

O Foo Fighters fez por merecer o prêmio, já que "Run" foi definitivamente uma das faixas mais memoráveis e impactantes de 2017 e mesmo com "Atlas, Rise!" na jogada, esse foi um dos poucos prêmios justos da noite.


Melhor Álbum de Rock

Hardwired... To Self-Destruct - Metallica
Villains - Queens of the Stone Age
A Deeper Understanding - The War On Drugs
Mastodon - Emperor of Sand
The Stories We Tell Ourselves - Nothing More

Mais uma categoria onde a gente olha e fica pensando de onde veio o vencedor e o que diabos ele está fazendo aí. Emperor of Sand, Villains e Hardwired... To Self-Destruct claramente mereciam o prêmio mil vezes mais, mas aparentemente a cerimônia mais injusta da história do Grammy realmente se superou.


Melhor Performance de Metal

"Invisible Enemy" – August Burns Red
"Black Hoodie" – Body Count
"Sultan's Curse" – Mastodon
"Forever" – Code Orange
"Clockworks" – Meshuggah

Injustiçado na categoria anterior, o Mastodon passou o carreto em concorrentes fortíssimos como Body Count e Meshuggah e levou o prêmio com a faixa de abertura de Emperor of Sand, prêmio mais do que merecido para uma das canções mais incríveis de 2017.


Este ano, o Grammy se contradisse ao fazer uma celebração para as mulheres premiando muito mais homens. Mas, colocando em perspectiva a balança que pesa sucesso, notoriedade e sucesso crítico, os prêmios não foram surpresa. Foram, inclusive, previsíveis. Até o ano que vem!

Escrito por Rodrigo Izetti & Eduardo Assunção