Entenda como Kodaline nos ensina a viver em Politics Of Living



Sempre inspiradores, Kodaline mistura seus estilos e faz de uma forma única seus sons tocarem a todos que os escutam. Assim foi desde 2012 e assim permanece após dois álbuns. A questão é: como Kodaline se transformou para a criação do seu terceiro álbum Politics Of Living?

Não tivemos um álbum novo da banda desde 2015. Coming Up For Air - o trabalho anterior - deu novos pulmões para a banda, e para nós era como respirar. Um álbum um tanto quanto autêntico, com faixas incrivelmente inspiradoras. Sucessor do maior feito da banda, In A Perfect World, o primeiro álbum que era como a libertação de um sufoco. Desafogar com Kodaline sempre foi algo levado muito intensamente. O primeiro álbum conta com letras e melodias muito confortantes, enquanto o segundo é exatamente como sair para respirar e sentir a leveza do ar. Agora temos o recente terceiro álbum que Kodaline não deixou a inspiração para trás, mas mostrou que a parte mais antiga da banda parece mais distante. 

Eu explicaria como um fator dessa mudança as próprias inspirações da banda, o que os daria bastante sentido para nunca continuar os mesmos. Afinal, inovação pode ser tudo quando bem posta e na hora ceta. E uma pista sobre quem/quais são as  inspirações da banda fica logo clara quando você repara nos sons, ou mesmo nos comentários dos integrantes. Parece que eles são bastante fãs de bandas como Coldplay e isso já explica muita coisa!

Politics Of Living, de modo geral, é um compilado de lições sobre a vida. Cada toque, cada letra, podemos enxergar que há uma pitada de vida e cor. Isso a gente já consegue ver direto na primeira faixa: "Follow Your Fire". Um hit que teve ótimas repercussões e também um dos primeiros singles para o álbum. É uma música que fala de lembranças, amor, inspirações. Mas o diferencial do álbum já aparece por aqui, é uma música mais apegada ao dance e ao pop.


Parece que a banda se identificou bastante com a parceria deles com o DJ norueguês Kygo. "Ranging" foi um ponto de start para esse novo álbum, muitos elementos da música foram usados como inspiração para Politics Of Living. Isso a gente entende porque grande parte das canções tem a pegada eletrônica predominante. Entretanto, toda as letras que nos levam pra cima continuam sendo um grande forte da banda. E talvez seja o que mais impulsiona o álbum.

"Hide And Seek" mostra um Kodaline totalmente novo. Para quem não era acostumado com esse tipo de som pela banda, talvez precise de um tempinho de adaptação. Mas quando paramos para apreciar, percebemos que o dance utilizado é leve e contagiante, ainda melhor quando prestamos atenção na letra da música!

"Angel", "I Wouldn't Be" e "Brother" são as vocês acharam que não teria música triste aqui?. E também as faixas que mais resgatam o Kodaline presente nos dois primeiros álbuns. Os vocais impecáveis do Steve Garrigan e o coro da banda são muito mais aparentes nessas canções. O tom soft passado pela banda é inigualável - e é sem dúvida a minha parte favorita deles, o que também classifica essas três como minhas três favoritas do álbum. "I Wouldn't Be" deu origem e nome a um EP lançado pouco antes do álbum. "Brother" foi a primeira faixa lançada para o álbum e tem uma letra surrealmente inspiradora, como realmente uma lição de vida. Além de ter um clipe clássico feito por Kodaline, como um clássico filme daqueles de drama que nos faz chorar.


E do conjunto de inspiradoras a gente pode juntar o álbum todo. Mas faixas que me pareceram "exóticas" para um Kodaline foram "Born Again", "Don't Come Around" e "Hell Froze Over", faixas que me fizeram pensar desde One Republic até Fall Out Boy. Não é algo ruim, mas é algo que não estávamos mesmo preparados ou acostumados a conhecer. Vale a pena o risco de se ouvir, assim como eles se arriscaram para fazer algo bom. Não são as melhores do álbum, mas ainda sim têm um toque especial de inspiração Kodaline, como eles sempre fazem.

Da série Músicas Que Te Jogam Pra Cima, "Worth It" merece até prêmio, assim como "Head Held High". Ambas são músicas para te tirar daquele pensamento cabeça-baixa que às vezes a vida traz. "Worth It" é um pouco mais leve que "Head Held High", mas ainda assim, as duas com o novo toque da banda são deliciosas de ouvir!


"Temple Bar" merece um destaque, por ser uma daquelas músicas com letras bem tristes e fortes, mas ter uma batida tão soft e pouco eletrônica, junto a pitadas de piano. A clássica união das vozes da banda é bem evidente, e os vocais de Steve vão além dos nossos ouvidos. É viciante e encerra o álbum da melhor maneira. Apesar de melancólica, é aquele tipo de música que você aprenderá a cantar de tanto ouvir.

Por último, mas não menos importante, o destaque a "Shed A Tear", uma música em um estilo de "Brother, um pouco mais eletrônica, mas que talvez tenha a melhor letra do álbum. Uma música sobre um sentimento puro e verdadeiro de amizade. Um bruto choque de vida! E o melhor ensinamento da política da vida que eles poderiam passar, para realmente fazer jus ao nome do álbum.


Politics Of Living não é o melhor trabalho da banda, mas de longe isso faz ser algo ruim. Apesar de todas as novas experimentações, Kodaline se mostra apta a mudanças e melhorias durante a carreira. Há muito do que se ver pela frente, mas por enquanto temos que nos adaptar a cada era da banda e esperar por algo mais surpreendente ainda na próxima.