Nicki Minaj faz show de estreia no Brasil digno de rainha



Em sua primeira passagem pelo Brasil, a rapper deu um show de energia, simpatia e carisma. Encantou tanto seu público, que o evento poderia ter durado um dia inteiro e ninguém acharia ruim.

Em uma tentativa de expandir seu mercado em terras brasileiras, o Tidal anunciou o evento Tidal X em São Paulo e me pegou de surpresa ao anunciar ninguém menos que Nicki Minaj para se apresentar. Nunca tinha visto muita coisa dela ao vivo e fui só com meu amor de fã, sem saber o que esperar. E tamanha foi minha alegria em ter presenciado um dos shows mais divertidos da vida!

O evento - muito profissional e bem organizado, por sinal - contou com um show de abertura do paulista Rincon Sapiência, que agitou a galera com muito rap e brasilidade e preparou o terreno para o que viria. Era evidente no rosto do público o quanto Nicki era aguardada com alta expectativa. E quando finalmente aconteceu, o limitado público se transformou num estádio que até a própria achou graça na animação.



No palco tivemos uma Nicki despida de todas as megalomanias a que estávamos acostumados de outras eras. Não teve Roman, não teve Barbie. De figurinos modestos e cabelos naturais, vimos sua personalidade aflorada em quem realmente é: uma rainha - e não me leve a mal, adoro toda superprodução que ela utiliza, mas foi especial desse jeitinho. Ciente de todo o poder e talento que tem, é engraçado ver como ela não é nada modesta e isso a torna muito carismática; diversas vezes me peguei rindo para o nada com seus maneirismos e expressões faciais.

O show foi enérgico o tempo inteirinho. Com apenas uma breve pausa na metade, a rapper tirou todo mundo do chão com uma setlist de agradar todos os públicos; parecia que ela sabia do que os brasileiros gostavam e tocou algumas faixas exclusivamente aqui. Entre entregar o microfone para a plateia e convidar meninas ao palco para uma batalha de funk, Nicki botou o gogó para funcionar e em um momento, requisitou até mesmo que cantasse sozinha, sem nenhuma música de fundo. Ela botava ordem e a gente se maravilhava.

Teve seus maiores hits, teve farofa, teve muito mais do que eu esperava do "Pink Friday", teve o verso de "Monster", teve seu mais recente álbum "Queen" representado. O ápice foi em "Chun Li", porque definitivamente é a música do ano. Foi um show extremamente divertido e empolgante, que ficará na memória por um bom tempo. Agora esperemos que ela volte com a sua turnê de verdade, com shows acessíveis ao público geral dessa vez.