Paulo Londra se entrega por completo no álbum "Homerun"

O grande artista revelação da cena trap urbana latina, Paulo Londra, acaba de lançar o seu tão aguardado álbum de estreia Homerun. Já liderando os charts, o novo disco dá destaque à personalidade forte e multifacetada que o artista nos oferece.

O músico argentino Paulo Londra já vem sendo considerado como a nova voz latina, em nível global, desde o sucesso estrondoso dos seus singles sucessos estrondosos de “Adan Y Eva” e “Tal Vez”. Com apenas 20 anos, ele já é o artista mais divulgado da Argentina, já acumulou mais de 2 bilhões de visualizações no YouTube, foi até nomeado pela Billboard como “Latin Artist On The Rise”. Pouco a pouco, ele constrói seu reinado e promete ir ainda mais longe com seu debute.

O nome do álbum, Homerun, faz referência à batida de beisebol em que o jogador deve correr por todas as bases, fazendo o percurso completo para a jogada. O disco, então, carrega essa ideia de que você precisa sempre dar tudo de si desde o começo, com todo o esforço e disposição. E é exatamente isso que o artista apresenta no material: ele se entrega por completo, nos introduzindo às suas mais variadas facetas musicais.

Com batidas do produtor executivo Ovy On The Drums e as rimas alegres e inteligentes de Paulo Londra, temos aqui um álbum incrivelmente variado em ritmos, nos fazendo conhecer cada campo do músico e tudo que ele tem para nos oferecer, o que é bem importante para um álbum de estreia. 

A faixa de abertura, "Homerun (Intro)", é um mantra acústico que resume bem o conceito. Já começamos com uma catarse de emoções que ilustra a realização e celebração do cantor referente ao seu momento atual, agradecendo a todos que estão ao seu redor vivendo este momento com ele: "Que tengo familia, mis amigo', mi' motivo' / Que son má' que suficiente, -ciente / Para hacer lo que má' quiero porque soy valiente". E, pouco a pouco, ele vai se desdobrando e viajando por tudo que sabe de melhor.


Homerun é resumo de versatilidade. Paulo Londra consegue nos trazer canções mais românticas com o eu-lírico apaixonado, como em "Tal Vez", ou então até mais vulnerável e submisso, como vemos na obscura "No Puedo" e no groove de "Maldita Abusadora". Seja com batidas mais fechadas e incisivas ou com um reggaeton mais animado e despojado, Paulo Londra centra muitas das suas histórias em romances ou paixões passageiras, às vezes trazendo até referências de casais clássicos como Adão e Eva ou Romeu e Julieta.

Um outro lado de Paulo Londra que é explorado muito bem é o mais exuberante e ostentador. Vamos combinar que, com tanto sucesso e uma ascensão tão rápida, ele tem todo direito de exalar seu poder e fama. Dito e feito: é exatamente isso que o cantor faz, com muita atitude, nas músicas "So Fresh" "Condenado Para El Millon", em que Paulo usa e abusa da autoconfiança com versos rápidos e ousados. O mesmo é replicado na faixa "Sigan Hablando de Mi", que fecha o disco de forma sensacional. 


Mas vale ressaltar que, mesmo com os amores perdidos, a vida luxuosa e os romances que vive, o artista brilha como nunca nas faixas mais autobiográficas e menos superficiais, como é o caso da que abre o disco e na maravilhosa "Forever Alone" (possui até um remix feito por Steve Aoki), que nos proporciona, de forma muito intimista e tranquila, uma imersão pura e sincera de quem realmente é Paulo Londra: uma pessoa tímida, sem preocupações e preguiçosa, como o mesmo o denomina. Ele é gente como a gente, sim!

De forma honesta e muito natural, o músico realmente se entregou por completo em todo o disco, mostrando todos os lados de sua personalidade com rimas incríveis e um ritmo realmente imbatível. Isso já reflete, inclusive, nos charts mundiais. Homerun já está no Top 200 Global, se tornando destaque em diversos países, inclusive Argentina, Chile, Costa Rica e Bolívia. Não há dúvidas de que em poucos anos, Paulo Londra pode se tornar um grande ídolo mundial!