Lançamentos da Semana (04/09/2016)


O universo da música não tem nada a esconder e os artistas correm atrás para lançarem seus sucessos. O mundo também pede por novidades e como toda semana é semana de música nova, nesta tivemos algumas. Por que não aproveitá-las? Então, mais uma vez nós avaliamos alguns lançamentos importantes destes últimos dias.


The Black Eyed Peas – #WHERESTHELOVE (por Jhonatan Oliveira)
















O clássico hit da banda retorna! Desta vez, eles se juntam a  Mary J. BligeDiddyJamie Foxx, Nicole ScherzingerThe GameJessie JAndra DayTori KellyJustin TimberlakeTy Dolla $ignUsherDJ KhaledA$ap Rocky e Jaden Smith para transformar a música e construir um clipe diferente. A nostalgia começa ao vermos logo o mesmo símbolo do clipe de sete anos trás. Com uma pegada mais leve, o ritmo mais calmo, Will.i.am inicia a aparição na música e no clipe, que é constituído por cenas de ataques e guerras pelo mundo.

Algumas celebridades aparecem no novo vídeo, onde toda a renda que a faixa arrecadar será doada a fundações voltadas a refugiados. Deixando a mesma mensagem maravilhosa, as vozes encaixam-se com a da banda, formando um lindo coral ao fim. Cabe destacar o merecido refrão pelo Justin Timberlake, já que ele também estava presente na versão de 2003 e, então, os quatro integrantes reaparecem juntos. Poderíamos dizer que é a volta do grupo agora?

Jimmy Eat World – Sure and Certain (por Gabriel Bonani)



















Jimmy Eat World será para sempre um grande ícone do pop punk, ou até mesmo do cenário emo, não é mesmo? Portanto, toda vez que os caras estão de volta, é uma festa pro mundo da música. Desta vez, eles estão voltando para lançar no mercado o nono álbum de estúdio da carreira, que recebeu o nome de Integrity Blues. E, diferente de vários outros veteranos, Jimmy Eat World permanece com um som tão bom quanto o de seus anos dourados.

A primeira música lançada do álbum, “Get Right”, seguiu uma linha mais agressiva e feroz, no nível que faz a corrente sanguínea circular mais rápido. “Sure and Certain”, todavia, foi totalmente o oposto, trazendo uma guitarra cheia de harmonia que guia a música por um caminho bem mais suave e refrescante, como uma brisa em um dia ensolarado. É como se a música transmitisse, por si só, um sentimento puro e apaixonante, que me conquistou por inteiro. Há controvérsias, mas realmente me agradou bem mais esse lado power ballad de “Sure and Certain” do que “Get Right”, que por mais que soou bem mais pop punk do que a outra, não demonstrou tanta singularidade quanto “Sure and Certain”. 

M.I.A feat. ZAYN - Freedun (por Peterson Augusto)



Uma nova semana, uma nova música de M.I.A antecipando o lançamento do último álbum de sua carreira, "AIM", datado para a semana que vem já, no dia 9 de setembro. Até então, estava contente com tudo o que já havia sido divulgado, mas "Freedun" me deixou meio... "meh". Infelizmente, pois estava esperando muito da colaboração com o menino Zayn, a nova aposta do R&B alternativo. Ainda não temos o álbum todo para ouvir, mas acredito que essa será facilmente uma faixa filler, visto que está muito abaixo do nível das que já ouvimos antes.

A ideia era fazer algo mais downtempo, chill as fuck, mas acabou que o resultado final foi meio qualquer coisa. O que salva são os "du du du... dun" e o conceito todo da letra, que nunca deixa a desejar, visto que a cantora sempre colocou suas lutas e expôs os problemas do mundo em seus trabalhos notavelmente. Achei a participação de Zayn muito backing vocal, parecido com o que Beyoncé fez em "Hymn for the Weekend", do Coldplay. Pode ser que uma parte do público de Maya goste bastante da música, mas eu, particularmente, não pretendo ouvir muitas outras vezes.                         
Grouplove – Enlighten Me (por Gabriel Bonani)


Grouplove é mais um grupo indie que vem ganhando cada vez mais espaço no mercado, porém o quinteto californiano tem diferenciais diferencial um tanto quanto importantes: a personalidade do grupo como todo, assim como os laços fortes construídos entre os membros, fazendo jus ao nome da banda, já que eles sempre estão se divertindo, de bom humor, germinando amor pelo mundo afora. “Enlighten Me”, primeiro single do novo álbum da banda, reflete bem toda a afinidade existente entre o grupo, que, na faixa, é refletida em uma melodia polidamente leve, que esbanja bom humor da forma mais graciosa possível.

Ao ouvir uma música pela primeira vez, há duas coisas pelas quais eu mais fico atento: o equilíbrio da instrumentalização e a composição lírica. “Enlighten Me” me conquistou duplamente. A letra me cativou muito, por seu potencial de identificação, assim como o seu poderoso crescente instrumental, que me deu asas. O instrumental foi guiado por sintetizadores delicados durante a música inteira, porém ao final, todos os instrumentos se encontram numa catarse de emoções ideal. Só digo uma coisa: JÁ QUERO NO LOLLA 2017!

Bon Iver – 33 “GOD” (por Jhonatan Oliveira)


A banda folk norte-americana está de volta este ano após cinco anos de espera, para aqueles que gostam. Como terceira música lançada este ano, 33 “GOD” traz a imaginação à tona e inicia-se com o piano e logo a voz de Justin Vernon aparece calma e relaxante – clássico feito da banda. A melancolia sugerida por outras faixas do grupo ainda é mantida nesta, tanto instrumental como liricamente. Porém, acho que 22 (OVER SOON), do EP “22/10” ainda é melhor instrumentalmente.

Bastille – Send Them Off! (por Jhonatan Oliveira)

















A banda inglesa vem mostrando inovações para o seu próximo álbum. Send Them Off  é contagiante! Começando com uma pequena fala, surge a harmonia dos instrumentos com uma pegada de hip hop e, logo a voz do Dan Smith mostra-se marcante juntamente ao bom ritmo de um piano. Com uma letra bem hipnotizante e “assombrada”, digo que esta é a minha faixa preferida das três lançadas até agora e, é claro, aguardamos ansiosamente o lançamento do álbum Wild World no dia 09 de setembro.

Alex & Sierra – You’re The One That I Want (por Gabriel Bonani)


Todos conhecem os dois queridinhos do X Factor EUA 2013, e até que eles levantaram uma quantidade razoável com o single de estreia “Scarecrow”, porém, ainda assim, caíram no esquecimento e passaram a ser muito underrated. Portanto, a estratégia para o segundo álbum de estúdio, As Seen On TV, foi genial. A dupla promete colocar nesse material, além de algumas autorais, várias versões estúdio dos sucessos que cantaram no programa de talentos, onde todos se apaixonaram pelo grupo. É uma tática de resgate que, com a divulgação certa, tem tudo pra alavancar um pouco Alex & Sierra.

“You’re The One That I Want” é um dos covers que o casal apresentou no X Factor, porém essa versão recém lançada está returbinada, no melhor sentido da palavra. Os vocais de ambos estão no ponto certo, diferente do nervosismo do 4 Chair Challenge – etapa do programa em que eles apresentaram tal música. O piano, somado à letra e a química entre os dois, enche o coração de amor, deixando a música fluir naturalmente. E isso é o elemento mais bonito do grupo: tudo que eles cantam se torna uma obra de arte, por ser tão real. Isso pode ser muito clichê, mas dá pra sentir o amor deles em cada nota de cada música do casal. DON’T FIGHT ME ON THIS! 

Zara Larsson - Ain't My Fault (por Peterson Augusto)



Para ser sincero, até o VMA de 2016, onde a cantora dava uma entrevista após ser nomeada na categoria Best New Artist, eu não conseguia associar o nome de Zara Larsson a nenhuma música. Nem sempre tenho tempo de procurar novos artistas para escutar, mas fiquei curioso para saber o que a moça tinha de especial e descobri que é dela um dos singles que mais bombaram no verão americano, "Lush Life", rs. Venho, então, me retratar pela burrice de não ter conhecido a sueca antes, porque ela é realmente muito boa. Todo ano somos apresentados a artistas novos que são lançados como a aposta do futuro do pop. As vezes se concretizam, mas muitas outras vezes, não. Acredito que Zara tem tudo para se tornar uma grande cantora, especialmente por seus trabalhos serem exatamente aquilo que a onda jovem mainstream vêm procurando ouvir ultimamente — e me incluo nessa.

"Ain't My Fault", seu novo single que antecipa um segundo álbum de estúdio, combina R&B com a dance music, num cenário que se prova cada vez mais certeiro. A produção da música é o grande atrativo, os saxofones/trompetes mostram que ainda estão em alta, assim como o drop belíssimo no refrão. Adorei a sequência de "nopes". A cantora também mostra muita atitude nos vocais, seja na rapidez das letras, com alguns versos quase cantados como rap, ou nas notas altas dos refrões. Fico ansioso pra ver o que mais vem por aí de Zara Larsson, acredito muito em seu potencial.