As contradições de céu e inferno unem-se no novo álbum de PVRIS

Resultado de imagem

No mundo do rock desde 2012, PVRIS se vê uma banda encaixada em um estilo bem original, no qual harmonizam muito bem estilo, vocal e letra. Desta vez, eles apresentam o segundo álbum de estúdio, "All We Know Of Heaven, All We Need Of Hell", recheado de uma energia que pretende tirar você da zona de conforto.

No ano da formação, parece que o estilo inicial seria o metalcore, mas pelo visto foi o rock alternativo que chamou mais atenção da banda, a qual decidiu por incrementar elementos do pop e eletrônica e, por fim, formar sua originalidade.

Nos vocais de Lynn Gunn se destacam as melódicas tocantes letras. Ela comanda a banda angelicalmente junto a Alex e Brian. O primeiro lançamento foi um EP, em 2013, e logo no ano seguinte, o primeiro álbum, "White Noise", já caprichado no estilo que se mantém. Para o retorno, neste ano, eles separaram alguns singles para mostrar o que estava por vir.  


Heaven chegou em abril. Com a extensão vocal de Lynn muito bem apresentada, foi o lead single ideal para a nova era, que mostra um rock eletrônico misturado aos elementos do pop. A letra é forte como sempre a banda traz.

Em seguida, veio What's Wrong, um single que parece ter pitadas que lembram Thirty Seconds to Mars. Com letra e clipe um tanto quanto interessantes e psicodélicos, o rock nesta faixa se destaca tanto como os vocais.


Half e Winter vieram depois. Half foi lançada pois vazou, mas espertamente eles usaram a música para trazer um "visualette", assim como Winter. Ambas mantiveram o característico estilo da banda, que já se via bem definido desde o primeiro álbum.

O single mais recente foi Anyone Else, com clipe lançado dois dias antes do esperado álbum. Lynn, através das redes sociais, disse ter escrito essa música sobre um sentimento que não pertence a ninguém, nem a ela mesma e como ela gosta de compartilhar o que ela sente na atmosfera musical. Os sentimentos expressos na faixa e a progressão do ritmo fazem dela minha preferida no álbum, bem como as palavras da Lynn a definem muito bem.


"All We Know Of Heaven, All We Need Of Hell" ainda conta com mais 5 faixas que não se distanciam da nova atmosfera criada, onde podemos dizer que o lado sombrio infernal se esconde em letras psicodélicas e sentimentais com uma harmonia dos céus cantada na voz angelical da vocalista. E, não importa o que ocorra, eles dizem estar orgulhosos do trabalho feito.

Este ano a banda se juntou a Muse e Thirty Seconds to Mars nas estradas e, agora, eles entram em sua própria turnê pela Europa e Estados Unidos pretendendo levar a energia da nova era pelos vários cantos.