Itaipava De Som a Sol

Simple Plan se apresentou para o público paulista com um set nostálgico e carismático

No último domingo (27/05), o nosso tão amado Simple Plan fez um show sold out inesquecível em São Paulo, na Audio Club, em comemoração aos 16 anos de lançamento do álbum de estreia. A energia, humor, carisma e nostalgia que dominaram a noite não serão esquecidas por um bom tempo.

Não há dúvidas que No Pads, No Helmets...Just Balls, o debute do grupo canadense, marcou a vida de muita gente, principalmente para os que estavam na pré-adolescência ou adolescência na década de 2000. Hinos pop punk e emo como “Perfect” e “I’m Just A Kid” marcaram a vida de muita gente. Suas músicas precisavam ser ouvidas, e as mensagens das mesmas precisavam ser passadas, gerando esperança e empatia para diversas pessoas que se sentiam incompreendidas ao redor do mundo.

Esse primeiro álbum representa não só a essência do Simple Plan, como os sentimentos e reflexões de uma geração. E mesmo agora, depois de 16 anos, a paixão, energia e união permanece firme e forte. No show, a banda trouxe muita proximidade, com direito até a Pierre e Chuck na galera, deixando bem claro que o legado da banda continua forte e intacto, mesmo com a falta de David, que tem se afastado dos holofotes para tratar sua saúde mental e depressão.

Assim que a sirene tocou, Chuck, Seb, Pierre e Jeff entraram no palco com gritos efervescidos da galera, que pirou ainda mais com a abertura guiada pela icônica “I’d Do Anything”. Tocando o disco de estreia na íntegra, o sentimento de nostalgia era inevitável. As músicas que representam a raíz do Simple Plan estavam todas presentes na setlist, criando laços envolventes e nostálgicos entre os fãs, que cantavam todas as músicas com muita paixão, sem exceção alguma.

Os caras, mesmo beirando os 40 anos, não perdem o poder no palco em nenhum momento, mantendo os olhos do público fixados neles a todo momento. E convenhamos que é uma missão difícil tirar os olhos de um grupo  que continua tão bem entrosado mesmo depois de muitos anos de estrada. Grandes destaques do show foram a ótima presença de palco, que se tornava ainda mais cativante com pulos, caras e bocas, além do humor único da banda, que guiou brincadeiras com o fato de que estão ficando velhos e que na época que ficaram famosos não tinha nem YouTube, Facebook ou Myspace.

Como se não fosse suficiente, o carisma deles abriu portas para várias tentativas de palavras em português, como “tudo bem”, “eu te amo”, entre outras. Os caras claramente amam a plateia brasileira e o nosso país, e disso não há dúvidas, ainda mais depois do discurso do Chuck Comeau anunciando que estará torcendo pro Brasil virar Hexa nessa copa do mundo. Realmente, eles são uns amores.

Quanto às performances, tivemos vários momentos eletrizantes, como “God Must Hate Me” e “Grow Up”; momentos de pura emoção, como as plaquinhas em homenagem ao David durante “Addicted” e as luzes que iluminaram o local durante a impactante versão acústica de “Perfect”. Isso tudo sem contar o pedido de casamento inesperado no meio do show, que fez com que todos morressem de amores. Imagina só ter Pierre Bouvier oficializando seu noivado, rs?


Além das músicas do No Pads, No Helmets...Just Balls, a banda terminou com um set cheio de energia, contemplando seus grandes hits, como “Shut Up!”, “Jump”, “Crazy” e “Welcome To My Life”, em uma sequência de acelerar o coração. Sem dúvidas, os meninos e os fãs saíram daquele lugar com o peito cheio de amor e satisfação. Precisamos de mais bandas que construam um show próximo, afetivo e enérgico como o Simple Plan. Foi uma experiência completamente renovadora da qual já queremos um bis!