5 motivos para você se apaixonar por "Youngblood", novo álbum do 5SOS

Recentemente, fomos abençoados com Youngblood, o terceiro álbum de estúdio do 5 Seconds of Summer. E como era de se esperar, ainda não conseguimos tirar as músicas do repeat. Sabendo se renovar a cada álbum, o 5SOS realmente nos entregou mais um hinário que todos deveriam se dar a chance de ouvir.

Nos últimos anos, a banda impactou o mercado musical com o sucesso gigantesco de músicas como “She’s Kinda Hot”, “Amnesia” e “She Looks So Perfect”, apresentando ao público teen um pop que flertava com o pop punk. Desde lá, muita coisa mudou e claramente os meninos evoluíram muito individualmente e musicalmente. O resultado desse amadurecimento está impresso em cada verso e em cada nota de Youngblood, o mais recente disco do grupo australiano.

O álbum acaba de estrear em primeiro lugar nos charts da Billboard 200, e ele carrega consigo todo merecimento do mundo. O lançamento gira em torno dos corações partidos e frustrações que os membros da banda tiveram nos últimos anos. Em cada música, percebemos que os garotos se entregaram mesmo e fizeram um ótimo trabalho em transformar os sentimentos negativos em faixas tão dançantes, animadas e iluminadas. Deixando o pop punk um pouco de lado, a linha musical segue muito mais híbrida, viajando pelo pop rock e influências de música eletrônica que definitivamente deram um toque a mai ao trabalho.


Tendo um disco tão bom como esse, não poderíamos deixar de separar 5 motivos essenciais que fazem com que esse álbum seja tão especial. Confira a seguir por que o Youngblood merece sua atenção:

As músicas são extremamente dançantes!

Não há dúvidas de que esse álbum é o mais animado e dançante do 5SOS! Logo que “Want You Back” e “Youngblood” foram lançadas, já dava pra sentir um pouco do swing que contagiaria a gente no álbum completo. “Talk Fast” é outro grande exemplo de faixa que não deixa a gente ficar parado de jeito nenhum, principalmente com a vibe oitentista muito singular. Quando a banda tocou a música no show promocional de São Paulo, não deu outra: aquele lugar virou uma pista de dança cheia de vibrações positivas.

“Meet You There” é outra que nos surpreende, com uma agitação inusitada e despojada. Quando você menos esperar, você será pego pelas batidas grandiosas que ganham força após o refrão. Mas nada se compara com os breakdowns destruidores de “If Walls Could Talk” e “Babylon”, faixas que entregam uma explosão musical jamais explorada em nenhuma outra música do 5SOS.


Um estilo completamente novo pra banda!

Se o primeiro álbum do quarteto mirava em um pop teen com pop punk, no segundo eles já abraçaram o pop punk de vez. Já em Youngblood, o 5SOS aparece mais maduro do que nunca flertando com um pop rock alternativo, com sintetizadores que dão vida a uma bela ambientação eletrônica, na maioria das músicas. A banda deve ser valorizada por sempre se reinventar e se modernizar de acordo com o feeling de cada um.

Nesse trabalho, temos uma forte influência de Twenty One Pilots, The Neighbourhood e Arctic Monkeys, principalmente na produção returbinada de “Valentine”, na fluída “Empty Wallets” e a poderosa “More”, que possui uma guitarra de arrepiar. Sem dúvidas, essa tríade é responsável por liderar um dos pilares mais importantes do álbum: inovação.


As composições estão bem mais profundas!

De longe, é perceptível que a banda se entregou mais nesse trabalho do que em qualquer outro, principalmente quando se trata das composições. Após terem os corações partidos no ano passado, os membros da banda souberam transformar a dor em pura arte. “Lie To Me” é uma faixa extremamente melancólica e dolorosa sobre um relacionamento que não está dando certo, envolvendo até traição. O violino deixa a faixa ainda mais desoladora.

Em “Why Won’t You Love Me”, conseguimos sentir cada palavra cantada, principalmente no refrão, que penetra no coração de qualquer um facilmente. A densidade da canção é construída como um dia chuvoso. Agora “Ghost Of You” nos leva a outra dimensão. É, sem dúvidas, a música mais sombria e triste do álbum. O piano e a guitarra também agregam muito à composição emotiva e vulnerável apresentada aqui. ALERTA: prepare os lencinhos antes de ouvir.


As músicas são ótimas pra cantar no banho!

Não há nada melhor do que a energia impactante de “Moving Along”, principalmente quando a banda se junta pra cantar o refrão de forma poderosa. Claro que a gente não poderia deixar de cantar junto, né? As músicas realmente se conectam com a gente muito facilmente, fazendo com que seja impossível não acompanhá-las para fazer nosso próprio show no banho. Outros ótimos exemplos são “Youngblood”, “Monster Among Them” e “More”. Todas elas vão te dar automaticamente o poder de um superstar debaixo do chuveiro. Só não vai se empolgar que nem essa fã do Twitter, hein?
 

É possível sentir um pouco de cada um!

Assim que tivemos a amostra do álbum, com “Want You Back” e “Youngblood”, sentimos que o Luke estava prevalecendo de certa forma, mas assim que o álbum foi lançado, para nossa alegria, fomos surpreendidos com mais presença dos outros membros, podendo dividir nosso amor igualmente entre os quatro.

Começando pelo Luke, que ainda possui a maioria dos vocais, podemos de longe perceber como ele melhorou muito vocalmente em comparativo com o primeiro álbum, nos deixando mega orgulhosos. Uma prova disso é mostrada em “Ghost Of You” e “Lie To Me”. Já Michael brilha muito em “Monster Among Men”, nos deixando literalmente no chão com os riffs de guitarra. Ashton realmente arrasa na bateria em “Moving Along”. E Calum surpreendeu a gente com o baixo incrível de “Talk Fast” e “Moving Along”, nos dando muita vida e motivos pra surtar. Isso sem contar a sua presença realmente inesquecível em “Babylon”...


Sem dúvidas, Youngblood deve ser lembrado como um grande marco na história do 5SOS. Ele representa um novo cenário de amadurecimento e inovação para a banda. O que dizer dessa era que mal começou e já estamos amando?