O álbum duplo "7" de David Guetta traz os dois lados da música eletrônica atualmente



Nessa sexta-feira (14/9) David Guetta retornou com o seu mais novo álbum 7. O disco é dividido em dois CDs: o primeiro carrega algumas parcerias já conhecidas como “Flames”, que conta com a famosa voz de Sia, enquanto o segundo é algo mais pessoal, contando com produções assinadas pelo seu alter ego Jack Back que gritam tech-house em sua essência.

Começando pelo CD1. As parcerias são fundamentais tanto para as influências de estilo, tanto para a sua popularidade. Os vocais presentes são na maioria das vezes de grandes artistas da atualidade e por serem de diferentes áreas, o álbum é uma grande mistura de gêneros musicais. Esse lado do disco é, em suma, onde muita parte da música eletrônica está hoje para se manter firme: no pop comercial, que é o principal ingrediente de vários DJs da atualidade, como Zedd e The Chainsmokers.

Por mais que diversas influências são presentes, o pop é sempre a mistura final dessa parte do disco. Para isso, o DJ francês recrutou grandes nomes do pop atual. “Don’t Leave Me Alone” conta com a voz de Anne-Marie, “2U” com a de Justin Bieber e “Blame It On Love” de Madison Beer. Todas falam de algum modo sobre o amor. Toda a necessidade de estar junto e os sentimentos envolvidos. E claro, as batidas de todas elas crescem em nossos ouvidos como um chiclete que gruda e não sai mais. São melodias extremamente contagiantes.


Mais adiante, ele carrega também bastante influência latina, que está em tendência hoje como nunca antes. “Say My Name”, parceria de Bebe Rexha e J. Balvin“Goodbye” com os vocais de Jason Derulo, Nicki Minaj e Willy William; e “Para Que Te Quedes” de J Balvin servem para ilustrar isso. Traços do reggaeton são facilmente identificados. O clima sensual de festas e verão permanece, mas ainda com características da música eletrônica. As letras são faladas em espanhol pelo menos em alguma parte e principalmente na ultima faixa, idealiza a mulher como geralmente feito em musicas do gênero.

O hip-hop e o rap não ficaram de fora. Em “Motto” com a presença de Steve AokiG-Eazy, Lil Uzi Vert e Mally Mall e até “She Knows How To Love Me” ou “I’m That Bitch” são bons exemplos. Principalmente na primeira, o ritmo permanece parecido para que o rapper cante os seus versos. Todas elas abordam temas variados como dinheiro, amor, entre outros. Porém, sempre com um ar de superioridade e domínio, como se o cantor fosse o melhor no que está tratando.

“Like I Do” e “Drive”, por sua vez, são as que mais carregam influência eletrônica, mas ambas banhadas com muito clima romântico. As duas tem a característica de aumento das batidas no refrão e usam mecanismos como sintetizadores.

Agora sobre o CD2, David Guetta se dedicou à música eletrônica por completo. Essa fase do 7 pode ser facilmente tocada em uma daquelas baladas eletrônicas. O seu público alvo é bem especifico. As batidas feitas por computador, que dessa vez são as mais importantes e por isso ganham evidência, tomam conta dos vocais presentes no CD1. As letras são cada vez mais encurtadas, até chegar ao ponto que não tenha nenhuma fala ou só algumas frases. Começando pela faixa “Inferno”. Enquanto isso, o clima noturno e dançante ocupa os ouvidos de quem ouve. É a mais pura essência do tech-house.

O produtor evidentemente tentou agradar tanto o grande público, ao trabalhar primeiro com o pop, tanto o público especifico da música eletrônica, ou apenas quis se manter nas paradas, mesmo se dedicando ao estilo que gosta. Por isso, talvez, as duas partes do álbum são tão diferentes. Em suma, David Guetta prova que sabe se renovar e manter a qualidade independente do caminho que traça.