Dookie: o álbum do Green Day que rompeu com as limitações tradicionais


Não há dúvidas de que o Green Day é uma das bandas mais lendárias da história do punk rock. Porém, acredito que todo o caminho que o grupo traçou é um resultado do Dookie, o tão famoso terceiro disco da carreira, que levou a banda para outro patamar.

Logo em 1992, quando os integrantes estavam com 20 anos, Green Day era a maior banda da gravadora independente que se encontrava, a Lookout! Records, e não demorou muito para os meninos chamarem atenção do grandioso Rob Cavallo – um dos maiores nomes da produção de rock –, que sem hesitar, contratou o trio para a Reprise Records, que futuramente forneceria a base necessária para uma banda underground, como o Green Day, conquistar o mundo com seu punk revolucionário.

Rob Cavallo se apaixonou de primeira pela banda e, como havia uma concordância no estilo de composição de ambos lados, já dá pra imaginar o resultado esplêndido do Dookie, primeiro álbum do Green Day na Reprise Records, e o primeiro contendo a parceria de Rob Cavallo. Para o álbum, o produtor decidiu manter a integridade sonora da banda, assim como faziam ao vivo, sem banalizar o punk tão original deles, pois seria exatamente isso que revolucionaria várias formas de pensar futuramente.



Dookie foi lançado em 1994 e, apesar de todos envolvidos na produção do disco saberem que aquele era um material especial, nunca imaginavam a dimensão que ele tomaria. E não demorou muito para acontecer um avanço atrás do outro. Green Day saiu em turnê com Bad Religion, convertendo muitos da plateia em fãs das banda. O sucesso deles se tornou massivo, e nunca mais parou, levando o álbum para a lista de vencedores do Grammy, com “Melhor Álbum Alternativo”. E mesmo com letras sendo consideradas “inapropriadas” por alguns, quando as músicas daquele trio rebelde tocava, ninguém ficava parado. Era a música, em sua forma mais pura, mexendo com os sentidos das pessoas, de maneira épica.

“Burnout”: O álbum já começa com uma faixa bem “adolescente revoltado”, representando fielmente a personalidade forte da banda. É uma música excelente para introduzir não só o álbum, mas o novo posicionamento do Green Day, que havia agora intenções de expandir seu público, sem perder sua essência punk.

“Having a Blast”: A energia rebelde do punk rock continua aqui, porém agora com uma guitarra mais animada, esquentando mais para o que está por vir. É bem perceptível que essa segunda música ainda é da parte introdutória do álbum, em que a banda tem que se reafirmar e se mostrar convincente quanto sua imagem.

“Chump”: É incrível como muitas músicas desse álbum poderiam ter sido single, devido à qualidade impecável delas individualmente. E “Chump” é uma dessas faixas, porém além disso, o seu maior destaque é a explosão instrumental, que temos o grupo trabalhando em perfeita harmonia ao final. Essa explosão de que falo é tão memorável. Começando com as linhas de baixo do Mike Dirnt, até entrar o Billie Joe com sua guitarra, que só vai sendo “esquentada” cada vez mais, acompanhado da bateria do Tré Cool, que vai suavizando aos poucos até chegar ao final. Este é um grande diferencial do Green Day: eles sabem trabalham como um time, sem destacar somente o vocalista, como muitos fazem.

“Longview”: Aqui chegamos na que causou o grande impacto, tanto para Rob Cavallo, quanto para o grupo. Se tem uma música decisiva para a carreira do Green Day, essa música definitivamente é “Long View”. O mais engraçado dessa música é que mesmo sendo sobre masturbação, fez o maior sucesso nas paradas americanas, mas não é à toa. A música cresce de maneira contagiante, principalmente quando chega no refrão. E não há escolha melhor para primeiro single do que essa, pois ela explora o instrumento de cada um isoladamente em alguma parte da música. É perfeita para conhecer a habilidade musical de cada um.

“Welcome to Paradise”: Com uma melodia bem amigável de fundo, a música espelha exatamente a capacidade do Green Day de fazer um punk rock que continue animado suficiente para atingir a massa. A música foi um hit, por ser bem divertida e ser muito bem expressada, com um som bem refrescante. No entanto, o grande destaque é o solo de bataria e de baixo quase no final da música.

“Pulling Teeth”: Essa é um dos destaques do álbum, e surpreendentemente não tem o som mais agressivo da banda. Muito pelo contrário, possui uma vibe até meio pop rock, com a elaboração lírica em primeiro plano.

“Basket Case”: Essa música é basicamente o hino do álbum. Fica na cabeça e dá vontade de cantar junto, porém é bem contraditória, pois apesar do ritmo crescente da música, possui uma letra bem tensa, com Billie Joe falando de suas confusões e instabilidades mentais, devido suas crises de pânico.

“She”: Agora a banda vem com um som mais suave para a faixa, mas sem perder a explosão de instrumentos durante o refrão. E a música vai ficando mais agitada com o decorrer da mesma, principalmente quando Billie Joe solta seu grito – um tanto quanto histórico, vamos combinar – e aí, a banda começa a arrebentar com um instrumental cheio de riffs bem rápidos, que não falham pra te fazer balançar a cabeça feito louco.

“Sassafras Roots”: Pra mesma figura de “She” e “Chump”, eles cantam agora sobre passar e perder tempo com alguém. E continuamente, “waste your time” e derivados se repetem intensificando o significado da música, sem ficar chato.



“When I Come Around”: Junto com “Basket Case”, podemos considerer essa um hino do álbum, com certeza. E novamente, a banda vai mais para um lado rock do que o punk em si, e o Green Day se deu muito bem nessa experiência. Não é à toa que essa música já foi muito tocada nas rádios de rock.

“Coming Clean”: Como muitos já devem ter percebido, a banda não teve medo algum de citar os problemas que muitos jovem tem que lidar. E essa faixa fala basicamente sobre a bissexualidade de Billie Joe, e sobre a difícil aceitação da mesma pelos pais. E como é uma música bem pessoal para o vocalista, é ele que rouba a cena, mostrando vocais que merecem atenção. Ele está soando diferente, de certa forma. A música não deveria ser tão subestimada.

“Emenius Sleepus”: Bom, essa é um punk rock típico. É a única que foi escrita por Mike Dirnt, e apresenta um caráter lírico meio revoltado, assim como as primeiras do álbum.

“In The End”: Essa música vai agitando cada vez mais e quando Billie Joe já está no auge do aquecimento, ele grita um memorável “SOOOO!”, minha parte favorita da canção.

“F.O.D”: Eu amo essa música porque possui tanta diversidade se encaixando em uma só faixa. Começa com um acústico, meio groove, que não havia aparecido no álbum até agora. Porém, apesar de adorável, terminar um álbum tranquilo não é bem a cara do Green Day, então logo há um boom de instrumental bem elétrico e estridente, no melhor sentido da palavra. O que é um ótimo resumo do álbum. O disco inteiro reflete alguém tranquilo, de boa, até perder sua sanidade com a música, se entregando ao máximo ao seu lado mais natural.

 “All By Myself”: UMA FAIXA ESCONDIDA! E não é qualquer uma! Billie Joe não está cantando, pois quem domina os vocais é o Tré Cool. E realmente, eu gosto muito dessa música. Sempre quis que o Green Day gravasse mais músicas com ele nos vocais. E adivinha só? É uma faixa de amor...com as próprias mãos.



Bom, como dito anteriormente, com certeza foi com esse álbum que Green Day tomou conta do cenário musical moderno, que precisava muito deles, principalmente os jovens. Acredito que a razão deles terem ganhado tanta repercussão e fama entre os adolescentes foi por conta da identificação causada com o público. A banda fala, no Dookie, de tabus que a juventude teme. Porém através de uma música diferente e divertida, o Green Day quebra todos os paradigmas, fazendo com que seus fãs abracem a natureza como ela é. O Dookie foi a dose de rebeldia que a sociedade precisava.