Itaipava De Som a Sol

Green Day restaura punk rock com a ardente "Bang Bang"


Depois de um longo tempo longe dos holofotes, Green Day está de volta, não só para a música, mas também para a sua verdadeira raíz punk rock, que uma vez uniu diversos fãs nas históricas eras do Nimrod e do Dookie, por exemplo. “Bang Bang” é realmente o tiro que a gente tanto queria!

Desde a trilogia de álbuns lançada em 2012, nós, fãs do Green Day, estamos nessa sede por músicas novas, num nível incalculável. Parece que essa pausa durou uma década, ainda mais porque o ¡Uno!, o ¡Dos! e o ¡Tré! não foram tão satisfatórios, por terem forçado muito a barra em lançarem várias músicas de uma só vez, não prezando a qualidade. Dessa vez, portanto, o tempo foi bom para corrigir essa falha, uma vez que o trio deixou a música fluir com calma, sem pressão, soando bem mais natural e fiel à sua marca. Ouvindo agora a recém lançada “Bang Bang”, podemos concluir que o resultado disso tudo parece ter sido bem sucedido.

A nova música agradou a maioria dos fãs, em vários aspectos. A banda soube mesclar muito bem seus melhores trabalhos e suas melhores marcas em uma só era, atendendo a demanda com êxito. Levando em conta a construção sonora da faixa, podemos perceber que o trio soube se aproximar, na medida certa, do Green Day old school, fazendo de “Bang Bang” bem mais punk rock do que os álbuns que a banda lançou nas décadas de 2000 e 2010, tirando o Warning, obviamente.



O grandioso American Idiot (2004) e o 21st Century Breakdown (2009) haviam sido bem mais ligados à linha ópera rock, enquanto a trilogia lançada em 2012 foi uma tentativa fundamentada no pop punk. Fazia, então, um bom tempo que a banda estava mais atenta a seguir a tendência mercadológica, ao invés de fazer o que realmente se saia bem: o famoso punk rock. Portanto, é de se esperar que “Bang Bang” é o single pelo qual todo mundo estava esperando. A música em si, ao tocar, parece incendiar o coração de quem ouve, arrancando um suspiro de alegria e fazendo a gente pensar com alívio “Ah, esse é o Green Day que eu conheço!”.

A banda não só trouxe de volta o punk rock, como também trouxe de volta o embasamento político e a crítica social – uma grande identidade do trio. Ao escrever a música, Billie Joe enfrentou o desafio de se colocar na perspectiva de um atirador de tiroteios em massa. Deste tópico tão presente nos dias de hoje, Billie soube explorar bem os devaneios psicológicos e conflitos sociais desse personagem. Basicamente, ele conseguiu problematizar toda a ideia do espetáculo, explicitando a mídia como ferramenta para alimentar um ato hediondo de um sujeito solitário, que está disposto a fazer de tudo por um minuto de atenção e fama. Para teorizar tudo isso, daria uma discussão um tanto quanto interessante.

Parece que o Green Day está pronto para lançar uma era promissora, com qual os fãs vem sonhando desde um bom tempo. Através de um tweet, o próprio Billie Joe prometeu destruir o termo “pop punk” em 2016, com esse novo álbum. “Bang Bang” foi só um gostinho para o que está por vir, mas o novo disco, intitulado Revolution Radio, já tem data de estreia prevista para 07 de Outubro deste ano. Já estamos prontos pra essa revolução!