IZA surpreende com a versatilidade de seu álbum de estreia, “Dona de Mim”


Depois da repercussão enorme de “Pesadão”, IZA traz sua personalidade forte em Dona de Mim, seu disco de estreia que está dando o que falar. O álbum indica que vamos ouvir o nome da cantora por muito tempo ainda, sempre como referência de muita versatilidade e talento.

Com tão pouco tempo de estrada, a cantora já está entre as maiores artistas brasileiras da atualidade, não perdendo nada para grandes nomes da Indústria Pop, como Anitta e Ludmilla. Mas ei, acha que é fácil? Todo esse sucesso não surgiu tão de repente como vocês imaginam.

Desde 2014, IZA vem publicando suas versões maravilhosas de sucessos do mundo pop, incluindo Rihanna, Beyoncé e Sam Smith. Naquela época tudo era feito de maneira muito despretensiosa, mas logo a voz da cantora começou a chamar muita atenção e sua base de fãs ia crescendo junto aos views do canal.

Não demorou muito para a cantora ter seu talento reconhecido por profissionais do segmento. E foi aí, em 2016, que a carioca conseguiu o consagrado contrato com a Warner Music Brasil, com quem ela lançou alguns singles como “Quem Sabe Sou Eu”, “Te Pegar” e “Esse Brilho É Meu”. Mas nenhum chegou nem perto do sucesso de “Pesadão”, carro-chefe do álbum que estreou já no topo do Spotify Brasil e é atualmente um hit de platina tripla. Como você já deve estar pensando, esse hino já nos avisava do estouro que seria o álbum de estreia de IZA.


Com uma personalidade forte e entrada calorosa, a cantora abre o álbum com “Ginga”, que já virou hit aliás. A música traz a essência da raíz afro-brasileira, com direito a berimbau e vocais extremamente fortes por parte de IZA. “Bateu” segue com uma linha animada com uma combinação de reggae, hip hop e música eletrônica. Sem dúvidas, essa é uma das faixas para você curtir com os amigos na balada, principalmente por conta de sua pegada incrivelmente badass. E, logo em seguida, temos o hino que alavancou a carreira da IZA, “Pesadão”, com um reggae pop despojado e uma identidade muito singular.


Se você achou que as outras músicas estavam animadas, “Corda Bamba”, parceria com Ivete Sangalo, contagia com seu ritmo dançante que envolve uma percussão enérgica responsável por dar uma pincelada a mais essencial ao disco. A festa continua também com a eletrizante “Rebola”, música em conjunto com Gloria Groove e Carlinhos Brown. A canção tem uma produção impecável e uma energia muito pra cima. É a música perfeita para curtir a noite com os amigos, assim como “Bateu”.

“Saudade Daquilo” interrompe todo o clima festivo com uma sessão surpreendentemente sensual. IZA usa e abusa do sex appeal num R&B aveludado por uma guitarra fascinante e um swing sem igual. A cantora continua essa mesma vibe, agora como uma verdadeira Femme Fatale, em “Engano Seu”, uma faixa épica principalmente pelos metais e pela atitude de IZA. Já em “É Noix” temos uma ambiciosa mistura de pagode com pop, que deu vida à essa parceria surpreendente com Thiaguinho. E, acompanhada de uma produção cheia de charme, IZA não poderia perder a oportunidade de se entregar ao R&B em “Toda Sua”, uma faixa romântica com um ritmo delicioso e bem fluído.

Em seguida, temos a acústica “Você Não Vive Sem”, que nos deixa de boca aberta. A canção tem a função de ser um respiro suave nesse álbum dominado por faixas upbeat. Sem filtros, temos uma imersão introspectiva e orgânica nos sentimentos amargos projetados pelos vocais graves e deslumbrantes de IZA. Realmente admirável. Todavia, a música que deu nome ao álbum é, por sua vez, um dos grandes destaques do conjunto. A leveza R&B de “Dona de Mim” brilha de um jeito magnífico, com vocais doces e uma mensagem maravilhosa de superação e autoconfiança. A canção toma proporções ainda mais refinadas ao fim, com a adição de um saxofone genial.


Com uma vibe leve, tropical e positiva, IZA exala empatia em “Lado B” e cativa com versos como “Deixa o amor te levar, elevar e iluminar aqui ou em qualquer lugar”. “No Ponto”, por sua vez, encanta com seu estilo burlesque, numa vibe Soul extremamente sensual guiada por piano e guitarra, ambos executados de forma admiravelmente sublime. Ao fim, IZA encerra o disco com a destruidora “Linha de Frente”, com influências do pop e Hip Hop à la Karol Conka. A cantora termina sua estreia com muito estilo em clima de celebração.

Em meio às batidas frenéticas e dançantes e ao Trap e R&B muito bem amarrado, IZA entregou um dos grandes destaques da música brasileira atual com seu álbum de estreia. Viajando entre diferentes estilos em uma vibe animada, ardente, romântica e sensual, a cantora trouxe uma mistura de tudo que sabe fazer melhor, provando ser a artista completa que o mercado brasileiro de música tanto precisa. E mais do que isso, com um conjunto tão sólido e consistente, ela promete levar muita qualidade para o nível mainstream. Tá de parabéns, IZA!