Você precisa ouvir "Golden", o excelente novo álbum da Kylie Minogue!


Todo lançamento de Kylie Minogue deve ser festivo. Afinal, Kylie é motivo de festa por si só, mas trazer inovações mesmo com mais de 4 décadas de carreira não é para muitas. E inovação não falta em Golden, seu novo trabalho. Tem quem não esteja engolindo muito a vibe country, mas a dica é mergulhar na fantasia caipira da cantora, assim não haverá arrependimentos.

Golden é, antes de mais nada, um álbum sobre amor. Seja o amor por si próprio, ao próximo, ao mundo, mas o amor. Iniciando o trabalho, temos a já discutida e incomparável “Dancing”, primeiro single que apresenta muito bem essa extravagância country do momento. Passamos então por “Stop Me From Falling”, canção fofa e viciante sobre apaixonar-se por alguém. Tudo que o country possui está ali: banjos, ritmo, movimento, sinceridade. A certeza de ser especial se concretiza, portanto, na canção título do álbum, mostrando que ela não é dourada só pelos filtros nas fotos, ela é dourada por ser ela.


A linha fofura pega então um bloco inteiro com as canções “A Lifetime To Repair”, “Sincerely Yours” e “One Last Kiss”. Enquanto a primeira mantém o ritmo enérgico com um refrão frenético e pegajoso, a segunda nos leva diretamente para as belas canções pop-romântica do início dos anos 2000. Aliás, a declaração romântica é uma carta aberta aos fãs, na qual ela diz que nunca vai dar adeus, sempre será momentâneo, afinal ela é nossa. Já a última das três não chama tanta atenção, mas não peca estando na tracklist. O ritmo continua coeso, inclusive mais organizado que seus últimos trabalhos.

Não é fácil saber se o ritmo coeso apresentado até aqui é mérito da paixão recém-descoberta de Kylie pelo gênero ou se é pelo fato dela ter escrito ou co-escrito todas as faixas, fazendo deste o primeiro em um bom tempo em que ela entra no time de composição executiva. Dito isso, “Live A Little” é um dos maiores destaques não só do álbum, como da carreira de Kylie também. Mesclando perfeitamente os ritmos propostos no conjunto, a canção é dançante ao extremo e lembra algo que Calvin Harris poderia lançar em parceria com Kylie - só que melhor. O ritmo desacelera para o que é, provavelmente, a canção mais country do álbum, “Shelby ‘68”, uma doce declaração sobre o carro favorito de seu pai. 

O ritmo desacelera ainda mais para a baladinha “Radio On”, que se destaca pelos vocais angelicais da cantora. A produção de Sky Adams volta em “LOVE”, junto com a energia inserida lá no início. Destaque, inclusive, para a produção dele – as melhores canções do disco levam seu nome na produção. “Raining Glitter”, primeiro single promocional do álbum, traz Kylie no auge dourado. A canção é super pra cima, poderosa, com toques disco que lembram alguma canção do álbum Light Years - soando, ainda, atual e refrescante. Chegamos ao fim da edição standart com a emocionante balada “Music’s Too Sad Without You”, mais uma declaração de amor. Os vocais de Kylie mostram que ela também consegue carregar muito sentimento em sua voz, imprimindo aqui uma tristeza única.

Para quem gostou de banhar em ouro e quer ouvir mais, temos 4 canções adicionais na edição deluxe. “Lost Without You” é uma midtempo deliciosa, que linka a canção diretamente com o primeiro single do álbum. É fofa e pegajosa, do jeito que Kylie sabe fazer melhor. As próximas 3 são produções de Adams, destacando um final animado pro álbum. Quem pensou que country era apenas roedeira, Kylie fez questão de provar o contrário. “Every Little Part of Me” e “Rollin’” são duas explosões pop/country, trazendo o melhor do álbum. “Low Blow” é a mais diferente do álbum, trazendo um lado mais divertido e old-school dela. É uma forma incrível de encerrar o trabalho: sem deixá-lo monótono, mas mantendo-se fiel à proposta. Quem gosta de “2 Hearts” provavelmente será um grande fã desta canção.


Vale destacar o quanto Kylie se comprometeu na sua proposta – por dois anos, morou em Nashville a fim de acumular experiências na vivência da cidade e aprendendo mais ainda sobre seus costumes. Sendo Nashville o berço do country no mundo, não é difícil perceber a influência. Ainda assim, é louvável que ela tenha feito o que outras cantoras que vieram com propostas country não tiveram vontade ou tempo de fazer. Lembrando que Kylie foi uma das primeiras artistas de grande porte a arriscar no country, lá em 1997 com o single “Cowboy Style” - antes mesmo de Madonna se tornar ainda mais popular com o inesquecível “Music”, de 2000.

Por fim, é válido dizer que a fantasia extravagante do country é uma refrescante pedida na carreira de Kylie. É ela saindo de sua zona de conforto e trazendo o melhor que uma experiência pode trazer. Agora, é hora de desfrutar. E quem não curtiu, próxima era a gente se vê! Afinal, sabemos que ela nunca vai parar de se apresentar. E quando ela for, ela vai dançando.

Somos sinceramente seus, Kylie. Obrigado.

Escrito por: Rodrigo Izetti