Itaipava De Som a Sol

O coração forte e resistente de Leon Bridges é o grande protagonista de “Good Things”


Depois do sucesso do seu álbum de estreia, Leon Bridges volta com Good Thing, seu segundo disco lançado pela Columbia Records. O músico traz um Soul e R&B modernizado e composições incrivelmente sinceras e pessoais, responsáveis por provar a singularidade do cantor no cenário atual.

Não há dúvidas de que o texano Leon Bridges é o mestre contemporâneo do Soul, ainda mais depois de Coming Home, seu álbum de estreia que chamou muita atenção dos especialistas de música. O disco, além de receber o certificado de ouro nos Estados Unidos, chamou a atenção da Academia de Gravação com seu estilo retrô muito particular, levando o material a ser indicado ao Grammy Awards 2016 na categoria de “Melhor Álbum R&B”.
Leon Bridges agora volta para mais um grande acerto: Good Thing, seu novo álbum. Nesse material, o cantor e compositor de 28 anos trouxe texturas modernas ao seu Soul encantador, assim como um trabalho mais pessoal e honesto. Isso fica nítido, por exemplo, na letra honesta e cheia de aura da autobiográfica “Georgia to Texas”, faixa onde Leon relembra sua longa jornada que teve, ao lado de seus familiares, até chegar ao estrelato.
A leveza da composição e do saxofone, comandado por Jeff Dazey, fazem a gente sentir o peso do coração de um jovem que passou anos lavando pratos e sendo garçom em restaurantes para conseguir sobreviver enquanto fazia música. Nessa faixa, suas origens são justiçadas em forma de música, assim como na excelente composição de “Lions”, onde o cantor transmite a força e resistência que corre no seu sangue em versos como Would you kill for your own? That’s how I feel in my bones” (Você mataria para sobreviver? É assim que sinto nos meus ossos”).
Outra característica forte desse novo lançamento é a linha mais moderna que ele segue. Seu último álbum era inteiramente baseado no Soul da década de 50 e 60 à la Sam Cooke, mas agora seu som ganha uma atualização para os dias de hoje. Para isso, Leon Bridge e Niles City Sound, responsável pela produção do debute, se juntaram ao produtor Ricky Reed, que trouxe um R&B mais contemporâneo, explorando até um Jazz e Funk que dão um tom mais refrescante ao álbum, principalmente na pegada Disco dançante cheia de groove de “If It Feels Good (Then It Must Be)” e a descolada “You Don’t Know”.
O tom amoroso e delicado de Leon Bridges é também muito expressivo em Good Things. “Beyond” é possivelmente uma das baladas românticas mais apaixonantes lançadas nessa década. A espontaneidade da canção expressa a forma mais pura do amor de maneira leve, mas ao mesmo tempo muito tocante. “Forgive You” e “Mrs” traz a temática de um relacionamento que dura, apesar de suas divergências. Proveniente do Blues, as faixas são uma mistura sincera e doce ao mesmo tempo.

Acompanhado de um conjunto de faixas tão bem amarradas, como as deliciosas “Bet Ain’t Worth The Hand” e “Shy”, Leon Bridges revela um talento surreal refletido nas texturas encantadoras e suaves de R&B/Soul. Depois de uma longa luta para chegar onde está, o cantor traz o clima positivo, confiante e iluminado de “Bad Bad News” que traduz a essência do álbum em versos como They say that I was born to lose, but I made a good, good thing out of bad, bad news” ("Eles dizem que nasci para perder, mas fiz uma coisa boa com notícias ruins"). De fato, é nítido que após sua trajetória, o cantor que já se apresentou na Casa Branca e foi indicado ao Grammy chegou muito longe e esse é só o começo de seu legado. Ao ouvir Good Thing, é isso que ouvimos: o coração forte de Leon Bridges que exclama sua vitória.
Muito bom, né? E para quem não sabe, Leon Bridges abrirá os shows de Harry Styles no Brasil neste mês. Suas apresentações misturam muito movimento e musicalidade. Não dá pra perder!