A triste história por trás de “Sober”, a nova música de Demi Lovato

Nessa semana, Demi Lovato lançou uma das músicas mais reveladoras de sua carreira. Em “Sober”, a cantora que vem batalhando por anos contra transtorno bipolar e depressão revelou não estar mais sóbria. A música é realmente de quebrar o coração e, se tomarmos uma imersão em toda sua trajetória até hoje, a canção acaba se tornando muito mais triste do que a gente imagina.

Desde muito nova, Demi Lovato teve que lidar com sua saúde mental instável. Um pai alcoólatra e abusivo; colegas de escola com piadas maldosas; seus pensamentos suicidas, que a assombravam desde os 7 anos; foram só a raiz para um turbilhão de problemas que desencadeariam no futuro.

Aos 10 anos, Demi já estava por trás das telas da TV com Barney & Seus Amigos, junto a Selena Gomez. Em 2008, aos 16 anos, a cantora já virou a nova princesa da Disney e estava entrando em um caminho sem voltas. Seja consertando a falha que tinha nos dentes ou perdendo absurdamente muito peso, era notável que a pressão para que ela se enquadrasse nos padrões de beleza eram enormes.


Já em 2010, o psicológico de qualquer pessoa estaria caótico em uma situação como aquela: uma agenda apertada que se dividia entre turnês, filmes, série e outros eventos; a pressão absurda para ser um bom exemplo para os menores que a acompanhava na Disney; a tensão de ter que cantar e estar ao lado do ex-namorado, Joe Jonas, todo dia para promover Camp Rock; a difícil missão de lidar com seus problemas psicológicos. Tudo isso era escondido por trás de um sorriso ingênuo, mas que seria desmascarado em outubro do mesmo ano após uma notícia chocante: ao bater em dançarina da turnê, Demi Lovato era internada em um centro de reabilitação para tratar problemas pessoais.



A partir daí, sua vida nunca mais foi a mesma. Todos os problemas que a cantora escondia estavam lá sendo revelados e desmoronando toda sua reputação construída aos moldes Disney de ser. A cantora foi diagnosticada com bulimia, depressão e transtorno bipolar. Sem contar ainda os recursos que a cantora usava para suprir sua dor: automutilação, drogas e bebidas. Sua recuperação não foi fácil. Mesmo saindo do centro de reabilitação, a cantora sempre tinha alguém com ela a supervisionando e a mesma só foi ficar sóbria no começo de 2012.


Nessa época, a cantora já estava em um outro momento consigo mesma. Após ter tido sua verdade exposta ao mundo, Demi usou isso ao seu favor para realmente assumir todos os seus lados e servir de exemplo para muitas outras pessoas ao redor do mundo que passavam pelo mesmo problema. Não é à toa que a canção “Skyscraper” foi um dos maiores hits da sua carreira. A cada dia que passava, a cantora se tornava ainda mais vocal sobre o assunto, inspirando milhares de pessoas pelo mundo pelo seu ativismo, que deu vida a diversas campanhas protagonizadas por ela.


Pouco a pouco, tudo ia se acertando. Demi Lovato parecia estar muito mais confiante consigo mesma a cada nova era. A autoaceitação foi o grande tema da era Confident, onde a cantora assumiu muita atitude e segurança para voltar a amar o seu corpo, com roupas que mostravam mais pele; declarar o amor vivido no relacionamento de anos com Wilmer Valderrama, em canções como “Yes” e “For You”; e realmente afirmar que não voltaria ao seu jeito de ser do passado, agora revelando uma confiança absurda ao dizer que realmente estava sob controle. 


E realmente, a cantora desde então dificilmente parecia estar abalada por conta da depressão. Ela nunca sumiu de lá. Esses distúrbios sempre fizeram de Demi Lovato uma pessoa instável e impulsiva, o que fez com que muitas pessoas se afastassem dela ao longo dos anos, como Selena Gomez, e que ela virasse facilmente alvo da mídia por qualquer verdade que falasse. Porém, nessa época da vida, Demi parecia lidar muito bem com esses problemas. Ela reconhecia que alguns dias eram mais brilhantes do que outros, o que víamos em seus tweets, mas no final das contas, ela estava lá firme e forte. Um grande exemplo disso foi a cantora ter parecido se conformar muito bem com o término do seu namoro de 6 anos com Wilmer Valderrama, em 2016.

No seu último álbum, Tell Me You Love Me, Demi também esbanjava atitude sem limites, mostrando que estava muito bem em “Sorry Not Sorry”, carro-chefe do álbum direcionado aos haters. Na faixa, Demi deixava explícito que podiam criticar o quanto fosse, mas ela não ia se desculpar por quem ela era. A música representava muito bem o momento que a cantora se encontrava: pura curtição e autoconfiança. 


Porém, nos últimos meses, Demi Lovato vinha nas redes sociais para avisar aos fãs que tinha uma verdade para revelar em breve nas redes sociais, que provavelmente não seria muito agradável, mas que precisava ser dita. Os fãs ficaram preocupados, ainda mais com a quantidade de pessoas em que Demi Lovato parava de seguir nas redes sociais naquela mesma época: o melhor amigo Nick Jonas, a melhor amiga de infância Marissa Callahan e o empresário Phil McIntyre. E tudo que a gente mais temia veio como uma bomba em “Sober”, seu mais novo single de trabalho em que a cantora revela não estar mais sóbria após 6 anos de sobriedade.


Acompanhada de um piano extremamente desolador, Demi Lovato vem em “Sober” para fazer exatamente o oposto do que fazia no seu último carro-chefe, “Sorry Not Sorry”: pedir desculpas a todos, inclusive ela mesma. A faixa carrega uma emoção jamais expressada em qualquer outra música de sua carreira. Ela é uma amostra genuína e sincera da dor e culpa sentida por alguém que foi vítima do seu próprio ciclo vicioso e sofreu uma recaída, mesmo estando razoavelmente estável por 6 anos. Não é fácil ouvir Demi em um momento tão pessoal e sombrio como esse, revelando algo tão angustiante. Dá para sentir o caos e a fragilidade na voz de choro da cantora, uma vez que ela se entrega como nunca antes. É realmente de partir o coração ver Demi se encontrando novamente nesse estado.

Em “Sober”, Demi se mostra completamente assustada com tudo que está acontecendo, o que faz com que ela peça desculpas para seus pais, os fãs, os amigos que ela perdeu nos últimos tempos e as pessoas que a viam como uma inspiração e modelo a ser seguido. Com letras extremamente dolorosas, cruas e marcantes, Demi revela que às vezes só sente vontade de desistir de tudo e se sente solitária. A música é realmente um pedido de ajuda alarmante. A cantora perdeu muita gente nos últimos anos, inclusive seu pai, o namorado, seus grandes amigos e, agora, a si mesma.

A faixa é, sem dúvidas, a mais profunda e desoladora de sua carreira. “Sober” deve marcar um novo ciclo para Demi Lovato, artisticamente muito positivo, visto que a música tem um potencial tremendo e é, de longe, um dos trabalhos mais afetivos e sinceros de sua geração de ex-acts. Porém, pessoalmente, a música significa desespero, pedido por ajuda e o retrocesso de uma jornada de mais de 6 anos. Mandamos nossas vibrações positivas para que a cantora encontre paz novamente e se livre dos tormentos nessa batalha. Stay Strong, Demi!