Os grandes sucessos do Foo Fighters



Quem diria que de uma simples fita demo, gravada por um cara só, nasceria uma das maiores bandas de todos os tempos? Hoje, o Foo Fighters é mundialmente conhecido e tem na bagagem uma carreira impecável, repleta de hits memoráveis e prêmios. Confira com a gente!

A banda, liderada pelo respeitadíssimo Dave Grohl, surgiu por acaso, já que o primeiro álbum fora inteiramente gravado por ele. O que ninguém esperava é que, por conta do sucesso do disco, ele seria moralmente obrigado a montar uma banda e tocá-lo para a sua recém-formada legião de fãs. Foi aí então que “aquele cara do Nirvana” ressurgiu das cinzas.

1995

O debute Foo Fighters chegou à posição #23 da Billboard 200 e os singles “This Is a Call”, “Big Me” e “I’ll Stick Around”, ocuparam, respectivamente, as posições #2, #3 e #8 da Alternative Songs, o que para eles foi um grande feito. Foo Fighters ainda foi nomeado em 1996 ao Grammy de Melhor Álbum de Música Alternativa, mas Dave acabou perdendo para si mesmo, já que o MTV Unplugged in New York do Nirvana levou o prêmio. Nada mal para um álbum feito em cinco dias.


1997


Agora realmente como uma banda, o Foo Fighters lançou em 1997 o inigualável The Colour and the Shape, que se mantém até hoje como seu maior sucesso nos Estados Unidos. O álbum trouxe canções memoráveis como os hits “Monkey Wrench” e “My Hero”, tocadas à exaustão nas rádios do mundo todo, mas foi “Everlong” que colocou de vez o nome da banda no mapa. O single fez um enorme sucesso, ficou 28 semanas no top 10 da Alternative Songs, se tornou uma das favoritas dos fãs e logo foi fixada aos setlists da banda. Atualmente a canção ainda é lembrada como uma das melhores da década de noventa.


1999


Depois da saída de Pat Smear e seu substituto Franz Stahl não se encaixar na banda, acabou que o Foo Fighters se tornou um trio e foi assim mesmo que eles resolveram gravar seu terceiro álbum. There Is Nothing Left To Lose veio ao mundo em 1999 e continha algumas das melhores canções da banda, como “Aurora”, “Generator”, além dos hits “Breakout” e “Learn to Fly”, esta última ainda atingiria o topo da Alternative Songs e ganharia um Grammy pelo videoclipe. O álbum ainda rendeu à banda (e ao produtor Adam Kasper) o Grammy de Melhor Álbum de Rock, sendo este o primeiro de muitos.


2002


O começo da década de 2000 não foi muito gentil com a banda. O baterista Taylor Hawkins teve uma overdose, a banda quase chegou ao fim e os integrantes nem se olhavam na cara. Dave tomou a decisão de pausar as atividades da banda (e as gravações do quarto álbum) e entrar no Queens of the Stone Age, gravando um álbum com eles e fazendo uma parte da turnê. De volta ao Foo Fighters, Dave descartou as gravações anteriores e a banda recomeçou do zero. O resultado foi o agridoce One by One, de 2002, vencedor de mais um Grammy de Melhor álbum de Rock. O álbum trouxe uma banda introspectiva e agressiva, de som mais sujo e direto, muito bem exemplificado no hit “All My Life”, que também venceria o Grammy de Melhor Performance de Rock e se manteria na Alternative Songs por 35 semanas, 10 delas no topo.


2005


Em contraste com os momentos anteriores, 2005 foi um ano glorioso para o Foo Fighters, com o lançamento do ambicioso álbum duplo In Your Honor e do hit-single “Best of You”, que obteve a melhor performance da banda até hoje em paradas da Billboard, ficando na posição #18 da Hot 100 e no topo da Mainstream Rock Songs e da Alternative Songs. O álbum ainda rendeu à banda cinco indicações ao Grammy, mas acabou por não vencer nenhuma. Ainda assim, esse período foi revigorante para os integrantes e a turnê acústica (que foi registrada no CD/DVD Skin and Bones) é lembrada pelos fãs como um dos momentos mais icônicos da carreira deles.


2007


Como uma espécie de fusão dos dois discos do álbum anterior, Echoes, Silence, Patience & Grace veio para alavancar ainda mais a carreira do Foo Fighters, trazendo canções incrivelmente bem construídas como “Come Alive”, “Statues” e “But, Honestly”, além do memorável hit-single “The Pretender” que se tornou uma das canções mais conhecidas da banda. O álbum, assim como o anterior, vendeu extremamente bem e recebeu cinco indicações ao Grammy, ganhando os prêmios de Melhor Álbum de Rock e de Melhor Performance de Hard Rock pela já citada “The Pretender”.


2011


Com Pat Smear oficialmente de volta na terceira (!!!) guitarra, a banda começou o projeto do álbum Wasting Light, inteiramente gravado na garagem de Dave Grohl, em equipamento analógico e produzido por Butch Vig, lendário produtor responsável por Nevermind do Nirvana, sendo o processo de gravação registrado no documentário Back and Forth. O álbum trouxe grandes hits como “Rope” e “Walk”, recebeu seis indicações ao Grammy e ganhou cinco. O anteriormente citado Back and Forth também ganhou o Grammy de Melhor Vídeo Musical Longo. O desempenho do álbum nas paradas também foi absurdamente bom, atingindo o primeiro lugar da Billboard 200 e os singles “Rope” e “Walk” também atingindo o topo da Alternative Songs e da Mainstream Rock Tracks. Isso é que é um lançamento poderoso!


2014


Ambicioso que só ele, Dave Grohl resolveu apostar ainda mais na área dos documentários e criou a série Sonic Highways, que além de registrar o processo de composição e gravação do álbum de mesmo nome, explorava, por meio de entrevistas com músicos locais, a cena musical de cada uma das oito cidades nas quais a banda gravou as oito canções do disco. O projeto foi um sucesso de crítica e público e colocou dois singles no topo das paradas, o principal deles, “Something from Nothing” serviu de tema da série e ambas receberam indicações ao Grammy.


2017


Agora um sexteto, com a entrada oficial do tecladista Rami Jaffee, a banda lançou em 2017 seu nono álbum de estúdio, o desafiador Concrete and Gold, que em pouco tempo se provou um grande sucesso, estreando em primeiro lugar da Billboard 200 e vendendo 120 mil cópias na primeira semana nos Estados Unidos. Os singles “The Sky Is a Neighborhood” e “Run” rapidamente se posicionaram no topo das paradas, sendo que esta última ainda recebeu duas indicações ao Grammy, vencendo a de Melhor Canção de Rock.


Uma carreira de respeito, uma enorme legião de fãs e uma criatividade sem fim, são coisas que definem o Foo Fighters. Muitos acreditam que a banda tenha “se vendido” após o sucesso de “Best of You” em 2005, mas fato é que o objetivo continua o mesmo: levar o rock and roll para as massas e mantê-lo vivo, geração após geração. A banda que Dave Grohl lidera não é uma das maiores do mundo por acaso, é resultado de muitos anos de trabalho duro e, acreditem, ainda é apenas o começo.