David Guetta se adapta ao pop eletrônico atual em "Don't Leave Me Alone", parceria com Anne-Marie

Após o grande sucesso de "Flames", parceria com Sia, David Guetta retorna com “Don’t Leave Me Alone”, que recebe os vocais incríveis de Anne-Marie, estrela do pop em ascensão no Reino Unido. Com batidas poderosas, a canção promete ser mais um hit para a carreira de ambos os artistas, mesmo com um conceito superficial e repetitivo.

Ambas lançadas nesse ano, tanto "Flames" quanto "Don't Leave Me Alone" trazem uma sonoridade EDM bem fluída, porém com uma pegada bem diferente. Enquanto a primeira traz um flow mais renovador e carregado em um conceito poderoso e ardente, a parceria com Anne-Marie falha em chegar ao mesmo impacto que a primeira. Porém, ainda assim sua produção é feita sob medida para os charts atuais e promete colocar muita gente pra dançar nas pistas de todo o mundo. 


“Don’t Leave Me Alone” fala sobre o medo de ser deixado de lado e de se encontrar na solidão. A faixa é incrivelmente animada, com batidas bem marcantes e com uma fórmula pop bem atual já usada em sucessos de Zedd e The Chainsmokers. A habilidade de David Guetta se renovar e se adaptar de acordo com o tempo é bem interessante, mas canções que mantém a linha House e outras que trazem uma mensagem empoderadora ainda são sua maior singularidade.

No caso de "Flames", David Guetta trouxe uma mensagem de encorajamento nada óbvia e a mesma ganha dimensões excepcionais com os vocais de Sia. Em termos de qualidade, "Flames" é, portanto, um dos maiores tesouros dos mais recentes trabalhos de Guetta. Porém, “Don’t Leave Me Alone” é a canção que nos prova que o produtor sabe a fórmula perfeita para emplacar um hit nos dias de hoje.

Por conta disso, podemos esperar que "Don't Leave Me Alone" seja aquela música que não pare de tocar nas rádios mesmo assim. Sua fase atual pode ser voltada para um pop eletrônico, sendo um pouco diferente do que fazia antes, mas até agora, continua ele continua a prometer mais hits como de costume.