Conheça Raynes: nossa nova aposta para o folk-pop




Pensando em novidades do cenário musical, sempre tentamos trazer novos artistas que têm tudo para conquistar o público. Desta vez, tivemos a oportunidade de conversar com Mark John, 1/3 da nova banda britânica-americana Raynes e ele nos contou um pouco sobre sua carreira solo e agora na formação do grupo. 


Mark John teve apenas alguns lançamentos em sua carreira solo, mas suficientes para mostrar que seu vocal impecável pode combinar com diversos estilos. E, em alguma época da sua vida, Mark encontrou os americanos Mat e Joe e aí começou Raynes.

Raynes é desenhada através de muitas influências. Gente como Coldplay, Mumford and Sons e John Mayer, por exemplo. O estilo deles dança do pop a algo como o folk, de elementos do pop moderno até instrumentos mais clássicos. A mistura de pianos, percussão, acústicos e sintetizadores fazem sua autenticidade. Dois americanos e um britânico nunca formaram tão bem uma banda.

Eles estão começando agora, mas já sabemos que eles têm tudo para dar certo logo! E isso você vai entender com a conversa que tivemos com o Mark. Confira a entrevista abaixo:

KT: Como você definiria música e como ela começou a fazer parte de você?

Mark: Analisando, a música para mim é uma forma de expressão universal. É uma ótima maneira de explorar a criatividade e, talvez o mais importante, é MUITO divertido! Tudo começou para mim aos 4 anos quando comecei a ter aulas de piano. Desde então, a música sempre ocupou um lugar na minha vida. Coros escolares, orquestras, produções de teatro musical e grupos de a capella e isso continuou quando praticando guitarra e escrevendo minhas primeiras músicas aos 14 anos (todas agora estão seguramente trancadas para ninguém ouvir!). Foi depois que eu comecei a aprender guitarra (aos 14 anos) que eu me apaixonei por música pop e pela composição e não olhei para trás desde então. Embora eu seja muito grato pelas minhas raízes clássicas.

KT: Qual foi a sua sensação de ter o primeiro lançamento?/ Como foi lançar sua própria autoria?

Mark: Foi muito legal. Eu realmente não fazia ideia do que eu estava fazendo em termos de relações públicas e promovendo o single, mas eu não estava muito preocupado com isso na época. Eu só fiquei orgulhoso de dizer que eu oficialmente tinha uma música no Spotify!

KT: Quais são as suas maiores inspirações e o que mais te motivou a fazer música como carreira?

Mark: Eu sempre amei me apresentar. Seja em uma produção escolar, há muitos anos, ou tocando na frente de centenas/milhares de pessoas, essa sensação de eu ainda ter que me redobrar em qualquer outro lugar. É, honestamente, a única coisa pela qual sou verdadeiramente apaixonado. 
Em termos de violão, ouvir John Mayer pela primeira vez literalmente mudou minha vida. Eu admiro muito esse cara e ele é a única razão pela qual eu peguei numa guitarra.

KT: Sabemos que você teve um período de carreira solo e agora faz parte da banda Raynes. Como esse projeto começou? Como você (britânico) conheceu os dois americanos da banda?

Mark: Esta é uma história divertida. Eu estava no meio do meu curso universitário quando recebi uma mensagem do Mat (Mat Charley, membro da banda) descrevendo o que a banda estava fazendo e que eles estavam interessados ​​em me ter como o novo vocalista depois de descobrir minha página no Instagram. Inicialmente, recebi isso com certo ceticismo. Por tudo que eu sabia, isso poderia ter sido qualquer um e, como eles eram de Los Angeles, eu não sabia como isso funcionaria. No entanto, depois de vários telefonemas com os caras (Mat Charley & Joe Berger) e nosso gerente (Gonzo Lubel), eu estava totalmente convencido. Me coloquei em um avião para LA duas semanas depois e foi onde tudo começou.


KT: Vocês já têm planos para novos singles? Talvez um EP ou um álbum?

Mark: Nós temos algumas idéias. Temos tantas músicas que é difícil escolher no momento. Desde que assinamos nosso acordo de publicação com a Sony/ATV há alguns meses, estamos atualmente em processo de parceria com alguns dos produtores. Espero que em um futuro não muito distante tenhamos notícias sobre um lançamento.

KT: Quais os estilos musicais que mais influenciam os Raynes e como vocês classificariam o estilo da banda?

Mark: A explicação mais fácil seria Folk-Pop. Nossa instrumentação (especialmente ao vivo) definitivamente se relaciona ao folk e à cultura americana com bandolins, violinos e violões - o núcleo do nosso som. No entanto, a música que escrevemos é fundamentalmente música pop e definitivamente "rádio amigável". Nossas maiores influências, eu diria, são Mumford and Sons, Coldplay, Paul Simon, John Mayer e Bastille.

KT: Já teve algum momento favorito e muito memorável durante a sua carreira? 

Mark: Em um nível pessoal, a apresentação no Collingwood day em 2018 foi muito divertida. Ter o público de 500 pessoas cantando músicas que eu mesmo escrevi foi um momento verdadeiramente especial. Como banda, tivemos muitos grandes momentos em nossa curta carreira. O maior deles tem que se encontrar com Rich Christina (SVP da A&R East Coast na Sony/ATV) em Nova York, onde oferecemos o acordo de publicação.

KT: Pode nos contar um pouco sobre seus planos futuros e sonhos seus e da banda?

Mark: Nossas expectativas e sonhos são bastante coesos - e quero dizer isso da maneira menos arrogante possível. Almejamos alto. Queremos estar lotando estádios e tendo Nº 1's  no futuro.

KT: Por fim, o que você gostaria de dizer ao público que vem acompanhando vocês e aos que passarão a conhecê-los?

Mark: Obviamente, desde que entrei para a banda, não me considero mais uma carreira solo. Eu estou 100% comprometido com este projeto (Raynes) e temos muitas coisas interessantes por vir.