A importância e as teorias por trás de "Scaled and Icy", novo álbum do Twenty One Pilots!

A espera pelo sexto álbum do duo Twenty One Pilots acabou! Após dois discos muito intensos e conceituais, a banda aposta em uma estética mais animada e colorida para o novo disco Scaled and Icy, claro que sem deixar a essência tão singular da banda de lado.

De cinco anos para cá, Tyler Joseph e Josh Dun viraram o porta vozes de toda uma geração com os álbuns Blurryface e Trench. Através deles, a dupla apresentou uma narrativa sombria, mas de muito significado, abrindo espaço para pautas de saúde mental e outras dores tomadas no convívio em sociedade.

Inclusive, o antecessor do Scaled and Icy, foi o maior exemplo disso. Twenty One Pilots construiu todo um universo para falar de inseguranças e outras inquietudes, tudo de forma muito simbólica. Trench contava a história de Clancy e o grupo Banditos na luta para fugir de um lugar chamado DEMA, comandado por nove bispos misteriosos e controladores. Essa Terra representa a materialização de uma saúde mental instável e seus pensamentos mais obscuros. O grande desafio desses protagonistas era sair deste ambiente tão sufocante. E fica a questão: eles conseguiram? 

Bom, eles não só falharam nessa missão, como foram alienados ao extremo. O que nos leva a esse novo álbum, um trabalho tão diferente dos anteriores a ponto de surpreender alguns fãs. Mas por que dessa mudança tão brusca? A resposta disso já nos foi dada no lançamento natalino do single "Christmas Saves The Year", que chegou junto de um vídeo com a mensagem escondida "SAI is propaganda" ("SAI é propaganda"). Sendo "SAI" as iniciais de Scaled and Icy, acredita-se que todo essa paleta colorida em tom pastel e as músicas pop dançantes do álbum não passam de um produto óbvio de DEMA para esconder os problemas da cidade.

Sim, isso que você entendeu. Muitos fãs acreditam que o principal conceito do álbum é de que os meninos sofreram lavagem cerebral ao tentar escapar de DEMA e hoje estão sendo persuadidos a produzir músicas mais leves, atraentes e mais superficiais, digamos assim. "Não confie numa pessoa perfeita. E não confie numa música que não tem defeitos", já afirmava Twenty One Pilots na música "Lane Boy", do Blurryface.


Ironicamente, após um ano tão difícil, a banda achou um ponto de equilíbrio para trazer a emoção mais ao lado da esperança nesse álbum, explorando forças para se reerguer em meio à solidão. Tinha tudo para ser um disco triste, mas Twenty One Pilots decidiu deixar a acidez penetrante dos últimos álbuns para abraçar um lado mais doce e acolhedor de sua música, fazendo de Scaled and Icy o mais leve de sua discografia desde o Vessel.

“Um registro sombrio não seria apropriado [nessa época de pandemia], a ideia de escapar era mais atraente para mim. O motivo pelo qual [o álbum] parece quase desconectado da realidade onde o álbum foi criado é intencional. Vai parecer um pouco mais leve por causa disso”, afirmou Tyler à Revista Kerrang!.

Logo no início já sentimos um clima diferente na atmosfera de "Good Day", que quebra o padrão das faixas de abertura pungentes que Twenty One Pilots teve no passado, como "Jumpsuit", "Heavydirtysoul" e "Ode to Sleep". Muito pelo contrário, essa faixa dá o tom iluminado e positivo do disco com um piano solar banhado por pura calmaria, lembrando até o ar radiante de algumas músicas dos Beatles.

Na sequência, temos sintetizadores mais lúdicos e emoções à flor da pele com a sensível "Choker", que já havia sido apresentada antes, assim como "Shy Away", o grande carro-chefe do projeto, que entre melodias enérgicas, dá um tom encorajador ao álbum. 


Ao longo, de Scaled and Icy, percebemos que o duo sabe celebrar os bons momentos com uma musicalidade primorosa e inédita para a discografia da banda. Estamos falando da vibe oitentista de "Saturday", uma faixa apaixonada escrita por Tyler sobre aproveitar o tempo com sua esposa Jenna. "Bounce Man" é outro momento festivo do disco que promete colocar todo mundo para dançar.

Um dos grandes destaques do lançamento, portanto, fica com "Mulberry Street", que resume perfeitamente a proposta do disco. Em tom inspirador, a dupla faz referência a uma rua de Nova York marcante para a história da banda. Foi um dos primeiros lugares que eles visitaram após deixar a cidade natal em Ohio para ir ainda mais longe com o sonho do Twenty One Pilots. Esse ar mais lúdico e encantador se replica também para a delicada "Formidable", um dos momentos mais genuínos de todo o disco e certamente o de maior carga sentimental.

Mas engana-se quem acha que Twenty One Pilots aderiu por completo esse universo alto astral. A autoconfiança de Tyler chega a níveis além do ritmo animado e caminha para um lado mais rebelde em alguns momentos. Sim, estamos falando de "The Outside", que através de grooves muito despojados, manifesta críticas ao palco mainstream da Indústria da Música. O mesmo conceito brilha também em "Never Take It", um verdadeiro hino da contracultura. A faixa chama atenção pelos seus riffs tão antológicos e vibrantes. Versos de resistência como "Eles estão se esforçando para usar como arma / Você e eu, nós nunca vamos aceitar" chegam até a se encaixar com a narrativa do universo de DEMA.


Aliás, falando nisso, chegando ao fim do Scaled and Icy, temos duas faixas que se conectam perfeitamente ao universo de Trench. "No Chances" quebra todo o padrão do álbum, amargurando todo o clima em uma angústia indomável e hipnotizante. A faixa lembra um pouco o hip hop de Blurryface e tem um coro dos nove bispos reforçando a ideia de que não importa o quanto eles tentam, eles não conseguem fugir de Dema tão fácil. A temática sombria continua para o último ato, "Redecorate", uma faixa cheia de metáforas que fala sobre os pensamentos que passam na cabeça de alguém antes de morrer e sobre o impacto que isso causará em seus conhecidos.

Acreditam até que essa última é contada através do ponto de vista de Clancy, líder dos Banditos, que pode ter perdido essa batalha cedo demais. Boatos foram levantados após fãs notarem que "Scaled and Icy" é um anagrama para "Clancy Is Dead" ("Clancy está Morto"). O que reforça a ideia do álbum também poder ser uma tentativa de ter um olhar positivo após um luto muito difícil e profundo.

Teorias à parte, agora vamos para as afirmações: mesmo após ter consolidado sua identidade guiada pelas sombras, o Twenty One Pilots não se intimidou em sair de sua zona de conforto e permitir que as cores reinassem e que as melodias ganhassem novas vertentes. Com o compromisso de refletir as dores da juventude, a banda se superou ao inspirar e motivar seus fãs de longa data a desenvolverem uma nova percepção da vida e dançar até quando não se há mais forças. Scaled & Icy é mais um trabalho genial de Tyler Joseph e Josh Dun e certamente possui um impacto significativo no momento difícil que o mundo vive hoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário