Itaipava De Som a Sol

Stranger Things e Panic! At The Disco: uma história de terror que deu certo


A banda Panic! At The Disco lançou mais um clipe do Death Of A Bachelor, desta vez para a música “LA Devotee”. Com um ar completamente sombrio – talvez até demais –, o clipe seguiu a mesma linha sobrenatural de alguns clipes anteriores dessa era, como o de “Emperor’s New Clothes” e o de “Don’t Threaten Me With A Good Time”. Ainda, como se não fosse suficiente, temos um grande protagonista: Noah Schnapp, mais conhecido como Will de Stranger Things.

O videoclipe é todo baseado em uma figura sinistra – pra não dizer satânica – que captura crianças para um ritual bem horripilante e agoniante. Sim, pesado, eu sei. Uma das partes mais especiais disso tudo é que a principal vítima é interpretada por Noah Schnapp, o garotinho Will de Stranger Things. Como se não bastasse ter sido sequestrado pelo Demogorgon na série, o nosso Will agora está amarrado em uma cadeira enquanto fazem nele uma lavagem cerebral, que é guiada pelos inúmeros objetos creepy do cativeiro e principalmente pelo demônio máster – isso mesmo, Brendon Urie.

Devo admitir que a cenografia está maravilhosa, super dentro do tema. Brendon já tem naturalmente esse caráter tão caricato em seus clipes, e isso só agregou para este vídeo. Dando progresso ao ritual, o cantor canta a música para o menino, fazendo caras e bocas, com um olhar arregalado bem maníaco. Todavia, a construção da insanidade e do terror não acontece só por conta do Brendon. Noah Schnapp é um ator mirim sensacional, que conseguiu refletir todo seu desespero durante a ação. Convenhamos também que é impossível não sentir medo com as coisas que aparecem nesse clipe, como máscaras, símbolos macabros, animais apavorantes, etc. E, acima de tudo, a equipe de edição conduziu todo o material bruto de forma espetacular. Realmente, fica difícil de se decepcionar com um clipe do Panic!



Uma outra parte essencial para um videoclipe é a conectividade do mesmo com a letra e o ritmo da música, e foi aí que eu quase que deslizei na minha interpretação. Quanto ao ritmo da imagem e da canção, a sincronia turbulenta e agitada está MUITO presente, o que é ótimo, afinal não poderia ser um clipe com poucos cortes, de forma alguma. Por outro lado, a relação do enredo com a letra demorou para vir, pelo menos no meu caso. Eu já ia até escrever aqui que havia achado no clipe muito satanismo para pouco sentido. Porém, felizmente, tudo mudou quando eu analisei o clipe com mais profundidade, e foi aí que eu criei asas pra criar minha própria teoria.

Se tomarmos o cuidado de analisar a letra de “LA Devotee” com cautela, perceberemos que é uma música cheia de metáforas pra retratar Los Angeles como muitos não veem, destacando o o lado negro da cidade e a superficialidade de Hollywood. No clipe, portanto, acredito eu que temos muito simbolismo para representar isso. O calabouço seria uma referência direta para a cidade de Los Angeles, e lá portanto encontramos a ideia do panóptico, onde um ser se põe superiormente sobre os outros, para observá-los e averiguar se estão seguindo as normas por ele estabelecidas. E quem seria o grande observador ditador disso tudo? Isso mesmo, Brendon Urie. O cantor é como se fosse um chefão, fazendo o papel perfeito da mídia em Hollywood, que manipula informações, dita ordens e molda o sujeito – no caso, o pequeno Noah –, que é mais tratado como um objeto, ou um rato de laboratório, do que um ser humano de fato. Eu acabei sendo apocalíptico demais, porém realmente não consegui achar outro sentido a não ser este. E se isso foi realmente pensado na hora de elaborar o clipe e seu enredo, apenas parabéns para quem teve essa ideia!

No geral, o Panic trouxe pra gente mais um vídeo super bacana, com uma mega produção por trás. O dia que esses caras nos decepcionar com algum clipe, poderemos nos jogar de uma ponte, convenhamos. Me arrisco a falar até que, de todos os clipes dessa era, o de “LA Devotee” foi o mais legal. Quanto mais insano o clipe, mais me apaixono. Sempre assim.