Eminem retorna mais direto do que nunca em "Revival"


O maior rapper dos últimos tempos está de volta, muito mais solto e direto como não víamos há mais de uma década, acompanhado de uma sonoridade extremamente inovadora e várias participações. Confira o nosso review de Revival, o novo álbum de estúdio de Eminem.

Em outubro desse ano, depois de humilhar Donald Trump (e todos que o apoiam) em rede nacional, Eminem subiu novamente a um patamar em que não esteve desde a época do disco Encore de 2004, chamando a atenção de todos para si e preparando o terreno perfeito para um retorno triunfal.

No início de novembro, Eminem voltou deliberadamente agressivo e de supetão nos entregou o single “Walk On Water” que não agradou muita gente e foi tudo o que tivemos do álbum até 8 de dezembro, quando a faixa “Untouchable” foi liberada como single promocional, finalmente conquistando o público.

Isso nos traz a 15 de dezembro, dia de lançamento do álbum, juntamente com o segundo single “River”. Tudo conspirava a favor de Eminem nesse novo lançamento e, apesar do álbum ter vazado na internet dois dias antes, as vendas aparentemente não foram nada prejudicadas.

O álbum abre com a já citada “Walk On Water” que trouxe algo totalmente diferente de qualquer coisa que ele já tinha feito na carreira. Infelizmente o diferente não foi tão bom e, apesar das letras do rapper continuarem sensacionais e da ótima performance de Beyoncé, o instrumental da canção, que conta essencialmente apenas com um tímido piano, não agradou muito.


“Believe” vem como um tiro logo na sequência e não te dá espaço para respirar, com Eminem explorando um estilo mais cadenciado de rimas em cima de um instrumental essencialmente calmo. O rapper expões suas fraquezas e frustrações, fazendo até referências ao seu hit “Cleanin’ Out My Closet” de 2002. A canção é bastante semelhante ao estilo característico de Kendrick Lamar, algo que se repete em “Chloraseptic” que vem logo em seguida, contando com a participação do rapper Phresher. Em contraste direto com “Believe”, a faixa mira muito mais no fato de Eminem ser ‘difícil de engolir’, mesclando o instrumental moderno com o estilo clássico do rapper, uma combinação que deu muito certo.

“Untouchable” vem atirando sem dó nos policiais que abusam de autoridade, trazendo um refrão irônico e versos extremamente diretos em relação ao assunto e relembra o caso de Rodney King (injustamente espancado pela polícia em 1991), tirando até sarro do infeliz episódio. O instrumental da primeira seção traz o famoso estilo oldschool baseado em samples, com o da segunda parte sendo mais semelhante aos usados em The Eminem Show e Encore.


Retornando ao tipo de canção que atraiu muitos fãs no início da década passada, Eminem e Ed Sheeran colaboram pela primeira vez no segundo single do álbum, “River”. A faixa tem uma ótima letra sobre um relacionamento onde uma mulher descobre que seu namorado está lhe traindo e usa Eminem para fazer o mesmo, mas acaba ficando grávida do rapper e por conta do desinteresse do mesmo, acaba abortando a gravidez. Histórias trágicas sempre foram temas recorrentes nas músicas de Eminem e parece que nada mudou. A ótima participação de Ed Sheeran surpreendeu até mesmo quem não gostava de seu trabalho.


“Remind Me” conta a história do início da relação volátil de Eminem e sua ex esposa Kim, quando eles não tinham preocupações, eram ambos cegos de amor um pelo outro e isso era tudo que importava. A base da música é feita em cima da versão de Joan Jett & The Blackhearts da canção “I Love Rock and Roll”, que foi usada de forma a completar os versos de Eminem, uma sacada genial.

Patriotas como nunca, Eminem e Alicia Keys idolatram os Estados Unidos em “Like Home”, criticando fortemente Donald Trump, algo que o rapper já provou adorar fazer, sendo ‘nazista’ o nome mais amigável pelo qual o rapper chama o presidente. Como não poderia ser diferente, o instrumental apela para o lado pop, provavelmente para que a canção toque nas rádios e a mensagem da letra tenha mais chances de se espalhar, afinal Eminem é tudo menos bobo.

“Bad Husband” funciona como segunda parte da história que começa em “Remind Me”, falando sobre como o relacionamento de Eminem e Kim se deteriorou e sendo uma espécie de pedido de desculpas de Eminem por todo o mal que o mesmo causou à ex esposa, não só por faixas como “Kim” e “Puke”, mas por toda a turbulência que a vida pública do rapper causou na vida dela. Provavelmente uma das melhores composições do rapper até o momento.

Colaborando lindamente com Skylar Grey que também produziu e compôs outras faixas do disco, Eminem fala sobre um relacionamento onde a mulher está sempre diminuindo o homem ao invés de encorajá-lo a enfrentar seus desafios, tema que já foi abordado por ele no hit “Love The Way You Lie”. A participação de Skylar Grey novamente é ponto alto do disco, casando muito bem com o tema da faixa e com o estilo da canção.

Dando um gostinho de Slim Shady para os fãs, “Framed” fala ironicamente de um caso fictício onde Eminem é acusado de homicídio por conta de uma letra onde ele “acidentalmente” descreve perfeitamente a cena do crime, apesar do mesmo declarar que foi apenas uma infeliz coincidência. A faixa volta ao estilo horrorcore, altamente explorado por Eminem em seus primeiros dois álbuns e supre muito bem a nossa falta de faixas com a persona maluca do rapper.

“Nowhere Fast” é uma faixa um tanto rara na carreira de Eminem, sendo otimista até demais para os padrões dele, falando sobre tudo ter um lado bom e sobre lutar sem jamais desistir dos seus objetivos. O clima da canção casa bem com a proposta do álbum e os vocais da cantora Kehlani são um dos pontos mais altos da faixa.

Cheia das referências a Kim Kardashian, Rick Rubin, Rick Ross e ao filme Boogie Nights, “Heat” traz uma letra absolutamente sensacional, ao melhor estilo irônico e maluco do rapper, contrastando totalmente, segundo ele, com o disco Relapse de 2009. Uma das melhores faixas do álbum sem sombra de dúvida.

Direta e agressiva, “Offended” traz novamente insultos a Donald Trump mas também acompanha referências a outros criminosos famosos como Bill Cosby, Justin Ross e Tommy Lynn Sells. A faixa mostra que Eminem claramente não está afim de deixar o presidente em paz e irá incomodá-lo sempre que tiver a oportunidade.

P!nk, colaboradora de longa data de Eminem, aparece em mais uma faixa sensacional do rapper, dessa vez sobre relacionamentos tóxicos, onde um não confia no outro, mas não têm coragem de dar um fim na relação. De novo, P!nk se mostra uma artista fenomenal e representa um grande destaque no álbum.

“In Your Head” revive o clássico refrão de “Zombie”, hit de 1994 da banda The Cranberries, e em cima disso, Eminem expressa sua frustração com o alter-ego Slim Shady e mostra um grande remorso em relação a certas letras que escreveu no passado. Apesar do tema parecer complexo, a canção dura pouco mais de três minutos e deixa um gosto amargo por terminar tão de repente.

Outro tema recorrente é novamente abordado por Eminem em “Castle”, que é dedicada à sua filha Hailie. Eminem expressa seus pensamentos sobre vários assuntos, como o fato de que Hailie terá que lidar com letras mórbidas onde ela é citada, como “Kim” e “’97 Bonnie & Clyde”, e também fala sobre a forma como Eminem expôs a conturbada vida familiar deles, mesmo com a filha sendo tão jovem. Pela primeira vez, o rapper fala de forma madura sobre o assunto, um ponto muito positivo da faixa.

Guardar o melhor para o final parece ter sido levado a sério, pois “Arose” é uma das melhores letras da carreira de Eminem e expõe seu lado mais vulnerável e frágil, fazendo uma retrospectiva de sua vida inteira, falando sobre sua família, sobre sua overdose em 2007, que quase o levou à morte e todos os momentos que ele teria perdido se tivesse morrido naquele dia. Ao final, a canção “volta a fita” e retorna ao instrumental de “Castle”. Eminem se abre como o público e explica que apesar de como a mídia o descreve e de como as coisas aconteceram, ele é uma boa pessoa e o passado não faz parte do presente, dando um fim na figura caricata que anos atrás foi criada. Sem dúvidas o melhor encerramento possível para um álbum grandioso.

Para quem achou que a carreira de Eminem tinha acabado em The Marshall Mathers LP2, Revival serviu como um soco na cara da mídia e um presente mais do que especial para os fãs do rapper, além de ter sido mais um capítulo de uma carreira genial. Seja você fã do Marshall Mathers, do Slim Shady ou do Eminem, Revival é um disco pra você.