FTampa nos conta toda a história do novo clipe Who We Are

Resultado de imagem para ftampa who we are

DJ brasileiro e mundialmente conhecido, FTampa  recentemente lançou a música "Who We Are" que fala de um momento muito especial da vida dele. E agora é a vez do clipe. Com exclusividade pudemos bater um papo diretamente com ele sobre essa nova produção.

Um mineiro que deixou o trabalho de lado para ser músico. Felipe começou a carreira como DJ e produtor de música eletrônica e logo estava fazendo sucesso ao redor do globo. Tanto foi o sucesso que ele foi o primeiro brasileiro a pisar no palco principal do maior festival de música eletrônica, o Tomorrowland, na Bélgica! 

Contudo, o tempo se passou e vimos que o estilo dele foi mudando do Progressive House para algo mais como EDM. E fez bem, manteve seu sucesso atingindo ainda outras camadas. Um dos sonhos dele sempre foi compor uma canção para a mãe, que faleceu quando ele tinha apenas 6 anos. Carregando toda essa memória da mãe, ele decidiu retratar em "Who We Are", a música mais especial e pessoal de sua carreira. O clipe não foi diferente: retratando grande parte em primeira pessoa, ele mostra ao mundo tudo que ele realmente imaginou e resgata a memória de sua mãe. No final tudo muda para um outro ângulo e nos faz enxergar o sentimento todo que ele quis passar.

"Who We Are" mostra a autenticidade em todos os jeitos, da letra ao clipe, que pudemos ver com exclusividade para falar diretamente com o DJ sobre e ele nos contou tudo desde a criação física à sentimental. Confira agora o novo clipe e a entrevista!

KT:  Aproveitando o conceito libertador e inspirador de “Who We Are”, como essa música representa você como artista e toda sua jornada?

FTampa: Acho que toda última música que você lança mostra o ponto em que voc~e está em sua musicalidade. Who We Are representa acho que a minha vida inteira e meus últimos 7 meses de carreira que eu procuro retratar minhas raízes, me entender musicalmente e buscar uma coisa única pra mim. É uma música que fiz pensando na minha mãe e talvez seja a música que mais me representa de todas que as que eu já lancei.

KT: Como esse trabalho se diferencia em relação aos lançamentos passados?

FTampa: Ela é uma música que me mostra como pessoa, como artista... Antes eu fazia uns sons mais pesados, shows de música bem "agressivos" e com o tempo eu fui mudando meu jeito de ver as coisas, minha personalidade. Toda música que faço vem total do meu coração, dos momentos que passo e do que eu estou sentindo. Então, essa música se diferencia das outras por ser mais pessoal. "Love Is All I Need" também é bem pessoal. Mas "Who We Are" acaba sendo mais pessoal por ser uma música que fala das minhas memórias e das coisas que eu vivi.

KT: Na hora de produzir as batidas, como você trabalhou pra transmitir o sentimento que você queria passar?

FTampa: Isso foi uma coisa bizarra. Eu fiz a música inteira em 30 minutos! Foi a mais rápida que eu já fiz na vida. Eu estava tão dentro do que eu estava pensando que a letra surgiu primeiro e a música veio logo depois. Então, olhando o que estava dentro da letra, eu rapidamente peguei a guitarra e saiu o rifre que está na música. E assim, depois tive mais um tempo par poder lapidar a música e tudo mais, mas em trinta minutos eu já tive todas as ideias e também já pensei no clipe e tudo. Foi algo que parece que estava preso e só saiu assim.


KT: Falando então sobre o clipe, como você acredita que ele traz valor à música? Qual é a importância da produção visual dele para você?

FTampa: Eu acho que o clipe vai mostrar para as pessoas o que eu quis dizer na letra. Mas cada música é interpretada por cada pessoa de um jeito diferente. Tem pessoa que usa uma música com visão no amor, e outra pessoa usa a mesma música para malhar. Então cada pessoa pode ter sua visão da música. O clipe traz a minha visão da música, mostra o que eu senti quando eu criei a canção. E eu gosto de fazer história em todo clipe. Realmente gosto de montar uma história interessante e tal. Esse clipe é uma história pessoal, onde eu mostro minhas lembranças com a minha mãe e acho que isso faz ele ser especial. Acredito que quando as pessoas virem o clipe e a letra vão entender o que eu quis passar. Esse clipe me representa.

KT: Bacana, e como você acha que aplicar a câmera POV se aplica ao conceito?

FTampa: Isso foi exatamente para mostrar que sou eu revivendo as memórias. Eu tive várias ideias para o clipe e quando falei para o Mess (o diretor) sobre a ideia de fazer em primeira pessoa e ele pirou na ideia e disse: "cara, isso vai representar tudo o que você quer passar". E no final a gente teve a ideia de trazer a câmera para terceira pessoa e me mostrar por outro ângulo daquele jeito. Esse fato de ser a primeira pessoa é realmente para transmitir ao pessoal que era a minha pessoa mesmo vivenciando aquilo. E foi bem legal! Uma experiência bem louca e bem difícil fazer tudo aquilo porque são muitos equipamentos em cima de você assim. Mas foi uma experiência bem bacana.

KT: Você perdeu a sua mãe muito novo. Como você carrega as inpirações que teve dela a cada novo passo na sua vida?

FTampa: Eu acho que tudo que você faz na vida acaba te favorecendo de alguma maneira, porque a vivência que você tem acaba te influenciando no comportamento, como você leva a vida, como você trata as pessoas. Eu acho que eu tive as melhores memórias. Não só com a minha mãe, mas com toda a minha família. Que sempre foi muito bacana e me apoiou muito no meu crescimento.
Você virar para a sua família e falar que quer deixar o emprego que você está bem para tentar ser músico e ser apoiado é muito legal! Isso tudo levantou a ser a pessoa que eu sou hoje. Eu gosto muito de ajudar as pessoas. Gosto de abrir caminhos para outros traçarem porque eu fui muito ajudado por muitas pessoas. É mais um motivo para esse novo vídeo ser legal é que por mais que os anos passem, eu não me esqueço das origens. O que eu vivenciei lá atrás eu vou lembrar para sempre e eu quero começar a contar isso!


KT: Falando mais sobre a parte da música. Como você gostaria que fosse o impacto dela com o público?

FTampa: Ah, eu acho que o que eu mais quero é que as pessoas ouçam a música e se identifiquem com ela de alguma forma. Ela é uma música muito praiana, meio California vibes, então, é algo que serve para todos os momentos. É muito difícil criar uma música que sirva para tantos momentos. pode ver lá no meu passado que eu criava músicas mais pesadonas e tal. E é muito difícil pegar uma música como aquelas e colocar em um momento mais calmo... Assim, "Who We Are" acho que é uma música que é muito assim, para se encaixar em vários momentos. Algumas pessoas que ouvem a música às vezes falam para mim "ah eu pensei muito nisso ou naquilo", é bem legal cada um ter uma visão diferente. Isso é o mais gratificante para mim, eu passar um pouco do que eu to sentindo e ver cada pessoa se identificando de uma maneira diferente.

KT: Representar suas lembranças com sua mãe é o que mais marcou esse clipe. E falando sobre lembranças, como você gostaria de ser lembrado?

FTampa: Eu gostaria muito de ser lembrado como uma pessoa que acreditou e viveu muito todos os sonhos. Eu acredito que toda pessoa tem que fazer o que ama e eu quero muito mostrar para todo mundo que tem que ter coragem de seguir um sonho e fazer o que for preciso para seguir esse sonho. Acho que a gente tem uma vida tão curta, um mundo tão intolerante, acontecendo tantas coisas ruins. Precisamos encontrar felicidade e acho que não tem nada mais feliz e gratificante do que fazer o que ama. Então é assim que eu quero ser visto e lembrado, com certeza!