Mac Miller mostra amadurecimento após tempos difíceis em "Swimming"

Na ultima sexta-feira (3/8), Mac Miller marcou o seu retorno após o último trabalho lançado em 2016. Swimming é um álbum extremamente pessoal e importante para trajetória do rapper, que passa uma grande mensagem com bastante sinceridade.

O conceito do disco é  voltado basicamente à superação e crescimento do artista após tempos difíceis da sua vida. Para quem não sabe, seu nome foi centro de grandes notícias nos últimos tempos: o término com a cantora Ariana Grande e a polêmica quando foi pego dirigindo alterado na Califórnia. Agora, ao mesmo tempo que luta contra a sua depressão, ansiedade e vício em álcool e drogas, está otimista, encontrando a sua confiança aos poucos. Isso é visível em Swimming.

O álbum é uma mistura de jazz rap e hip hop, mas dessa vez não necessariamente precisa das parcerias para ter mais do ultimo gênero, como em The Divine Feminine. Ele fala sobre a sua confiança, não precisando idealizar uma mulher para isso ou implorando a sua presença.

O seu início já mostra uma evolução por parte do rapper. Em meio a enxurrada de conselhos, ele sempre utiliza a metáfora de estar “nadando” para simbolizar que apreendeu a lidar com a vida. Em “Come Back to Earth”, primeira faixa, o verso “I was drowning, but now I'm swimming” consegue resumir toda ideia que Mac Miller quis passar com o novo trabalho. Assim, ele começa o álbum de um jeito delicado e iluminado, que nos abre alas para uma grande obra de arte que está por vir.

Em "Hurt Feelings", o rapper já esbanja amadurecimento através de um flow delicioso que o acompanha ao admitir que já errou muito, mas que agora está buscando melhorar. São músicas ponderadas como essa que esperamos de artistas do hip hop/rap, e não faixas superficiais sobre ostentação. Usando letras inspiradoras e motivacionais junto a um jazz envolvente, Mac Miller se consolida como um exemplo artístico para muitas outras figuras do seu gênero, como em "What's The Use" "Perfecto".

Mesmo assim, nem tudo é um mar de rosas. Swimming prova ser um trabalho ainda mais honesto e autêntico quando Mac Miller se entrega às suas emoções, incluindo as dores. Com uma atmosfera melancolica, “Dunno” mostra o seu sentimento de saudade do seu antigo relacionamento. O rapper relembra os bons momentos e mesmo sabendo que é tarde demais, queria tê-los de volta. Em “Jet Fuel”, ele também admite não ser fácil ter de lutar todos os dias com os seus vícios. Ao decorrer da música, ele parece estar prestes a ter uma recaída. É um trabalho cru e surpreendentemente profundo. 

O single “Self Care” é uma faixa que já nos introduzia uma divisão. O seu clipe lançado 3 semanas antes do lançamento do álbum mostra o artista preso fumando em um caixão, mas no momento em que ele consegue sair dele e largar o seu cigarro, o ritmo muda. Muitas músicas do novo disco seguem com o mesmo mecanismo. A partir do momento em que ele enxerga a mudança, a atmosfera muda. Na maioria das vezes se torna mais calma e lenta, mesmo que ele caia na realidade e tenha que lidar com dificuldades, ele sobrevive e amadurece. É uma bela analogia que envolve musicalidade, bom lirismo e construção narrativa. É progresso.


Depois da evolução, parece que ele é outra pessoa e não acompanha mais os antigos costumes ou amigos. Com as batidas mais pesadas, traços de rap e R&B “Conversation Pt. 1” mostra o quanto agora ele se vê descolado ao tentar interagir com seu passado e com as mesmas pessoas de antes.

A partir daí os seus versos e ideias estão mais maduros. Fato que realmente se consolida nas batidas suaves de “2009” e “So It Goes", últimas faixas. Nelas, ele olha para traz, para o começo de sua carreira ou infância, e percebe que lida melhor com os problemas agora. Assim, o rapper não se desespera e parece saber administrar os sentimentos.

Swimming desacelera o ritmo do hip-hop para mostrar um grande amadurecimento por parte do cantor. Passa mensagens de superação para o ouvinte e até mesmo mostra como é boa a calmaria após o tempo de tempestades. Do começo ao fim, trata-se de um trabalho sóbrio incrivelmente maduro e inspirador, em uma vibe bem parecida com a de Macklemore. No final das contas, Mac Miller expõe toda a sua vida, sentimentos e pensamentos, não nos dando outra opção a não ser mergulhar em suas ideias e nadar junto a ele.