Lagum reflete sobre o sucesso de "Deixa" e revela planos para o futuro

Natural de Belo Horizonte, Lagum tem sido uma das grandes revelações da cena musical brasileira, trazendo um som pop alternativo que envolve como ninguém mais faz. Não é à toa, aliás, que o grupo alcançou recentemente o Top 30 BR no Spotify com o single “Deixa”, parceria com Ana Gabriela que conquistou o Brasil. Com tudo isso acontecendo, conversamos com os meninos sobre a carreira e muito mais. 

Conquistando novos públicos por onde passa já há quatro anos, Pedro Calais (vocais e composição), Otávio Cardoso (guitarra), Glauco Borges (guitarra), Francisco Jardim (baixo) e Tio Wilson (bateria) já conseguiram juntos muitas conquistas, nos encantando a cada novo single. 

Sabendo disso, entrevistamos Pedro Calais, que nos contou um pouco sobre a evolução da banda como um todo e pretensões para o futuro, incluindo parceria dos sonhos e uma possível experimentação inusitada com o funk. Ficou curioso? Confira a entrevista na íntegra:

KT: Primeiramente, gostaria de saber lá do álbum de estreia de vocês, Seja o Que Eu Quiser, que foi lançado em 2016 de forma independente. Como vocês evoluíram desde lá como pessoas e artistas? 

Pedro: Ah, acho que desde que a gente lançou, demos uma amadurecida sonora principalmente, que foi um início de um disco que tinha tudo e desde que lançamos, continuamos fazendo de tudo. A gente fixou a nossa identidade em cima disso, de não ter gênero. O álbum foi despretensioso dessa maneira, a gente fez sem pensar e descobrimos dessa maneira que a gente curte fazer tudo - do samba ao rock, batidas eletrônicas que estamos experimentando agora. Aliás, até o fim do ano estaremos lançando algo com batidas de funk que a gente não tinha feito até agora.

Então a gente se descobriu mesmo como artistas e vamos crescendo a cada dia como pessoas, até de uma forma mais séria e empresarial. Amadurecemos muito na questão de lidar com várias pessoas que a gente conhece agora e construir a nossa imagem, o que é muito importante também.


KT: E tendo uma gravadora também deixa tudo andar mais organizado. Queria também saber como é a reação do público com os novos singles e as mudanças? 

Pedro: Então, acho que o pessoal já estava acostumado com essa "parada" da gente fazer coisa diferente toda hora. A percepção deles é sempre "o que será que vem agora?". 

KT: E desde lá vocês não param mais. Tem algum momento da carreira de vocês que te marca até hoje?

Pedro: A gente curte viver intensamente o que a gente faz no momento. Por exemplo, sempre que a gente viaja a gente curte, sei lá, correr pela cidade, conhecer pontos. Todas as viagens são muito marcantes para a gente, tentamos aproveitar ao máximo todas e sempre voltamos com histórias e coisas novas para recordar para o resto da vida.

Mas recentemente estivemos em um programa, foi nossa primeira vez na televisão, no "Só Toca Top", da Rede Globo, e foi uma emoção que a gente não sentia há muito tempo. Uma ansiedade e tremedeira para subir no palco e medo de chegar lá e errar tudo. A gente não sentia isso há muito tempo. Foram várias emoções!

KT: Legal! Também gostaria de saber do mega sucesso de vocês tiveram com "Deixa", a música com a Ana Gabriela, que estourou e entrou para o Top 200 do Brasil. Como foi o feedback de tudo isso? Vocês já estavam esperando todo esse sucesso quando gravaram?

Pedro: Ah, a gente já tinha certeza! Quando ficou pronta a gente falou "ihhh galera... tchau mãe, só vou voltar ano que vem" (risos). Mas realmente, assim que ela ficou pronta a gente esperava isso tudo porque a gente pirou desde que começou a gravar e chegou a voz da Ana ainda a gente pensou "puta que pariu...". Ficou maravilhoso!

KT: E como rolou essa parceria, vocês já conheciam a Ana?

Pedro: A gente não se conhecia antes não. Conheci o empresário dela na época e aí eu tinha falado com ele que a gente queria fazer alguma coisa com ela e ele falou que ela estava pensando em gravar um cover de "Deixa" e que se a gente quisesse podíamos regravar e tal. Assim que rolou.


KT: Desses novos artistas: está surgindo uma nova onda de nomes da cena brasileira que tem gente que chama de "Nova MPB", enfim... gente como a Anavitória, o Vitor Kley que estão bombando também. Vocês gostariam de fazer parceria com algum artista em ascensão?

Pedro: Cara, a Cynthia Luz que é uma menina do rap. Tem o Jão que tá mandando muito bem também e, inclusive, a gente produz com o mesmo pessoal que produz ele e desde "Imaturo" eu gosto dessa maneira que ele mexe com o tecno-brega e a galera abraçou muito o som dele. 

KT: Ah sim, muito legal! E dos novos singles, qual a principal mensagem que vocês têm? O "Bem Melhor", o "Samba", qual a premissa que têm por trás de cada uma delas?

Pedro: Cada um tem uma história. Por exemplo, "Bem Melhor" é uma música que fala sobre términos de relacionamentos, mas de uma maneira positiva, de algo que já não estava dando certo. Também a gente resolveu lançar ela no dia dos namorados. Sabemos quantas pessoas passam e sofrem dentro de uma relação abusiva e têm medo de sair ou às vezes estão confortáveis ali ou simplesmente não conseguem sair por qualquer motivo, sei lá. Mas foi uma música pra isso, tipo "você tá bem e o que importa é que você esteja bem, seu amor próprio e você deve experimentar isso porque ser leve é bem melhor". 


KT:  E com "Samba"?

Pedro: Ah, "Samba" é uma música que fala sobre uma menina que eu conheci e o quanto foi maneiro conhecer isso, sabe?! E foi uma mistura de coisas que eu não tava acostumado.

KT:  Queria saber, por exemplo, dos próximos passos. Como vocês sempre estão lançando coisas diferentes, talvez algo do funk até o fim do ano... Queria saber se tem algum plano, ou algum sonho que vocês querem realizar esse ano?

Pedro: Esse ano a gente ainda vai vir com mais três lançamentos e no ano que vem a gente vai trazer um álbum - acredito que para o primeiro semestre ainda.  E todos os nossos sonhos estão se realizando: tocar com bandas que a gente sempre foi fã; tocar em palcos gigantes; tocar na televisão, na rádio. Tudo que a gente sempre sonhou está acontecendo esse ano e está acontecendo tudo muito rápido. Não sei nem o que esperar do ano que vem!

KT: É cada ano uma mudança diferente, né?! Sabemos do show em São Paulo que vocês fizeram recentemente. Tem alguma turnê, talvez?

Pedro: A gente sempre esteve rodando o Brasil. Vamos para Santa Catarina, Paraná também, Goiânia, interior de Minas e não temos mesmo uma turnê montada, mas vamos cumprindo nossa rotina de shows. Mas assim que sair o álbum, com certeza a gente vai montar uma "parada" mais concisa.

KT: Por fim, deixe uma mensagem para quem está chegando agora e e conhecendo aos poucos o som da banda. O que você gostaria de dizer?

Pedro: Eu queria agradecer a todo mundo, porque é muito importante isso. Vi uma pessoa falando que a música (a pessoa, o artista, o produto) é o veículo que faz as pessoas chegarem a outras pessoas e é muito maneiro porque a Lagum não é uma banda gigantesca ainda, então as pessoas têm muito amor por isso e elas têm ciúmes quando a música começa a ficar famosa. Apresentam para as outras pessoas com muito amor e carinho e eu acredito que isso é a diferença dos nossos fãs, porque eles gostam muito.

A gente recebe mensagens como "hoje acordei mal, escutei e e to me sentindo melhor", "você me tirou de uma enrascada"... Eu só queria agradecer esse carinho todo das pessoas por compartilharem a mensagem boa que a gente quer passar e eu espero que isso continue!