Zara Larsson quer arruinar sua mente com o novo single, “Ruin My Life”



Parece que a época de músicas pop com refrões que se repetem sem parar veio para ficar. Pouco mais de um ano depois de seu último álbum, Zara Larsson aposta no pop comercial e prova quem nem sempre se manter na zona de conforto é ruim, quando o resultado final é muito positivo.

Após conseguir quebrar as fronteiras da Europa para os EUA e o resto do mundo com o mega hit “Lush Life”, a sueca firmou de vez sua fanbase com o álbum “So Good” em 2017. Agora, Zara vem com um comeback modesto, como se para relembrar seu público de seu estilo, da sua marca, do que para inaugurar um novo momento de sua carreira. “Ruin My Life” é muito condizente com seus trabalhos anteriores, mas isso não é necessariamente algo ruim, já que em time que está ganhando não se mexe.

Gosto bastante da música pop radiofônica, daquelas divertidas, sem muitas pretensões além de fazer a gente se mexer; a famosa farofa. Nem tudo precisa ser sério e ter uma mensagem forte, às vezes a gente só quer curtir uma melodia gostosa e “Ruin My Life” traz exatamente isso. Zara nos faz fantasiar sobre um relacionamento que todos já devem ter experimentado: aquele que sabemos que — cruamente falando — vai dar ruim, mas que é empolgante demais para parar.




A melodia tem um pézinho em baladas românticas e outro na dance music, com um ritmo crescente até explodir no refrão chiclete. É aquele tipo de música que você ouve pegando uma estrada num dia de sol, com as janelas abertas e o vento passando pelo seu rosto. Uma “Teenage Dream” moderninha. É repetitivo, gruda na mente, é comercial. Mas faz sua parte e o resultado se mostra positivo.

Zara também lançou um videoclipe para a faixa, mas nada muito interessante acontece nele. Segundo ela mesma, a única intenção com ele era parecer bonita, e nisso ela acertou em cheio. Visualmente falando, o vídeo é de encher os olhos, com uma aura brilhante que segue a cantora por cenários bonitos e figurinos elegantes. É tudo muito lúdico e colorido, chama atenção e estabelece a cantora como uma mulher sem erros, rs.

Apesar de defender esse comeback do jeitinho que foi, quero ver também coisas novas de Zara Larsson. Que o próximo álbum traga mais ritmos inovadores, que continuem fiéis às suas raízes, como sei que ela é capaz de fazer. E videoclipes menos preguiçosos. “So Good” tem canções maravilhosas e essa era tem tudo para continuar nessa boa forma.