Jon Bellion exala inovação no recém-lançado “Glory Sound Prep”

Após o seu magnífico primeiro álbum de estúdio, Jon Bellion está de volta com Glory Sound Prep, seu novo disco que mantém a essência visual e sonora do cantor, com uma pitada de inovação.

Com seu debute, Jon Bellion fez um sucesso tremendo. “All Time Low” foi um hit massivo e sua presença como ato de abertura da turnê do Twenty One Pilots foi definitivamente memorável. Agora nosso querido sr. Bellion está de volta para continuar seu legado com mais um trabalho iluminado, diverso e fora da caixa. 

Tomando como ponto de partida um plano geral do disco, Jon Bellion mantém sua essência artística e sonora, apostando em uma produção versátil impecável, que por sua vez viaja por vários instrumentos e segmentos do pop, R&B, hip hop e rock alternativo. Isso tudo é guiado pela sua voz aveludada por doçura e suas letras tão reflexivas, poéticas, sinceras e peculiares em vezes. Independente da música, Jon Bellion vem com um discurso contemplado por assuntos da atualidade, como o amor líquido intermediado pela tecnologia, a saúde mental insaciável e muitos outros. Tudo isso com uma genialidade lírica e maestria musical de outro mundo. 

“Conversations With My Wife”, o carro-chefe do disco, já dá partida no projeto com uma linha de baixo fenomenal e um instrumental lúdico que floresce, enquanto Jon Bellion revela o seu amor pela esposa e a importância da mesma em sua vida, confessando que tem medo de perdê-la nos tempos como esses em que o amor se desgasta, principalmente pela era digital. De maneira genuína, o cantor mostra importância de sentir o amor real, em sua forma mais pura. O mesmo tema é abordado de uma forma mais cômica em “The Internet”, uma faixa exuberante, em que os instrumentos de metais fazem a festa do começo ao fim.


O relacionamento com sua esposa e o amor por si próprio são bastante recorrentes durante o trabalho. Na delicada “Blu”, Jon pinta um arco-íris do amor, apontando as aventuras e riscos de se apaixonar, porém reafirmando a paz que o mesmo traz às nossas vidas. É um registro da mais crua natureza do amor. Uma faixa realmente especial. Jon Bellion conta sobre encontrar refúgio nos braços da amada também em “Couples Retreat”, uma faixa banhada a um êxtase delicioso que contagia e cria um clima realmente único.

Saindo um pouco do tema de amor, em “JT”, acompanhado de uma produção de alta qualidade, com percussão marcada pela precisão e adicionais de um coro angelical, Jon Bellion relembra os tempos do passado antes de alcançar o sucesso que tem hoje. A fama, aliás, é um assunto comum em suas músicas desde sempre. “Stupid Deep” mostra, por outro lado, que apesar de todo dinheiro, glamour e sucesso, ele se vê em um vazio interno constante. É importante como Jon Bellion sempre nos faz refletir. Você já deve ter parado pra pensar em como nunca estamos satisfeitos e como nunca conseguimos preencher e atender às nossas necessidades, pois sempre queremos mais. É disso que a música fala.


A temática da fama ganha uma certa adrenalina na agitada “Cautionary Tales”, onde Jon Bellion pontua todos os obstáculos que passou para chegar até onde está hoje. A faixa traz uma participação inesperada de Will Smith. A adrenalina vai para outro nível, porém, quando Jon mostra seus rap skills em momentos únicos no álbum, como “Let’s Begin” e a conturbada “Adult Swim”, onde ele traz versos rápidos e profundos sobre o sucesso e a indústria da música. Tanto os ritmos, quanto a letra desta última são pura ousadia.

O momento mais precioso do disco se encontra, porém, no final somente. Em “Mah’s Joint”, Jon Bellion compartilha a dolorosa história de sua mãe cuidando da avó do cantor, que hoje está com Alzheimer. Ele pega os pequenos detalhes do dia a dia de sua mãe. Assim, cada lágrima, cada desespero, cada brilho nos olhos se transforma em pura poesia. É possível sentir absolutamente tudo nessa música. É de se arrepiar.

Com o fim deste trabalho magnífico, Jon Bellion prova mais uma vez sua singularidade no mercado da música. Pode ser que este disco talvez não seja tão marcante como The Human Condition, seu debute, mas certamente não podemos ignorar a produção criativa, diversa e o senso reflexivo que o cantor carrega em sua música. Trabalhos humanos como esses vêm para salvar o mercado da música e milhares de corações amparados pelo mundo. Obrigado por transmitir mais uma vez sua verdade por esses tesouros musicais, sr. Bellion!