Performers de coletivos LGBTQIA+ brasileiros protagonizam clipe da nova música de Criolo

Criolo não cansa de surpreender quando o assunto é posicionamento em suas letras. E mais uma vez, isso fica provado com “Etérea”, novo single do cantor que também ganha um clipe que celebra e destaca a cultura queer, protagonizado por performers de importantes coletivos LGBTQIA+.

Depois de “Boca de Lobo”, música que batiza sua atual turnê, Criolo retoma com mais uma música de posicionamento político. “Etérea" é uma homenagem à população LGBTQIA+ brasileira, que marca também a sua primeira incursão na música eletrônica, com produção musical de Daniel Ganjaman, diretor musical de Criolo, em parceria inédita com DKVPZ. 

A música exala liberdade, diversidade, aceitação. Com calmaria, o músico rompe padrões mais uma vez, dando voz às mais diversas cores e dando um show de representatividade. Em tempos sombrios, Criolos nos dá esperança e força no campo artístico, quebrando medos e padrões de forma inusitada. Ele aqui dá som aos silenciados e visibilidade aos invisíveis.
“Esta população, apesar de estar no topo de todos os rankings de violência e morte do planeta, continua a celebrar sua existência e cultura através de grupos de resistência e coletivos contra a opressão”, explica Criolo. 
Além do single, o clipe de “Etérea", com direção de Gil Inoue e Gabriel Dietrich, é protagonizada por 8 performers de distintos coletivos LGBTQIA+ e que deram sua interpretação pessoal à música, trazendo a essência de seus grupo e elementos da cultura queer e do universo de sua atuação: Ákira Avalanx (Coletivo House of Avalanx), D’Avilla (Popporn/Festa Dando), Fefa (Animalia), Flip (Coletivo Amem), Juju ZL e Kiara (Batekoo), Transälien (Marsha Trans e Coletividade Namíbia) e Zaila (House of Zion). 



A ideia é mostrar a importância do trabalho que eles realizam, destacando a transformação social e cultural de suas atuações, especialmente no clima político atual. Com isso, Criolo abre suas plataformas para amplificar a fala destes performers, que são o coração e o cérebro do projeto. 
“Etérea é uma ode à arte queer em todas as suas expressões e homenageia os artistas e intérpretes que diariamente lutam contra o preconceito e a ignorância”, conta Criolo. 
A música aponta criticamente o momento em que vivemos, onde muitos direitos civis foram conquistados, assim como espaços de fala e representação, mas a violência homo e transfóbica continua a crescer.