Mergulhe no álbum inspirado na série "Game Of Thrones"

Em comemoração à aguardada última temporada de Game Of Thrones, a Columbia Records e HBO tiveram a brilhante ideia em ilustrar toda a atmosfera intensa da série com o álbum For The Throne, que reúne vários gigantes da música em um só lugar. O resultado é fenomenal!

Contando com 14 canções impecáveis, a coletânea recebe a produção executiva do indicado ao Grammy Ricky Reed, junto aos criadores da série D. B. Weiss e David Benioff. O trabalho impressiona por ser tão eclético e qualificado em cada campo que cruza. Sempre muito bem amarrado ao universo de Game Of Thrones, viajamos pelo rock, pop, hip hop e folk em uma jornada musical ampla e muito rica. Desde já, o lançamento se torna um forte competidor a AOTY no Grammy ou nas categorias relacionadas à trilha sonora.

Comandada por uma raíz áspera de Maren Morris, "Kingdom Of One",  já começa tudo com o clima assombroso da série, fazendo referência a grandes conflitos que envolvem coroas e fogos infernais. Já em "Power Is Power", o carro-chefe do disco, traz SZA, The Weeknd e Travis Scott em um hino powerhouse imbatível. É um hit pronto que revive toda a trama com The Weeknd incorporando Jon Snow, SZA representando a perspectiva de Daenerys ou Cersei, enquanto Travis Scott é certamente o Rei da Noite


Durante todo álbum, a ambientação da série é projetada através de contos emocionantes cheios de adrenalina entre corações perdidos, perda e traição. Isso é perfeitamente transmitido no folk obscuro do The Lumineers em "Nightshade", no trap pop confiante de Ellie Goulding em "Hollow Crown", na tocante balada de Lennon Stella "Love Can Kill" e até nos versos rápidos e atrevidos de A$AP Rocky em "Too Many Gods". São texturas fortes e ácidas que dão vida ao universo único de Game Of Thrones.

Devemos também dar um destaque para algumas grandes preciosidades do disco. The National nos proporciona uma experiência imersiva na dramática e emotiva "Turn On Me", uma das faixas mais congelantes do disco. "Devil In Your Eye", do Mumford & Sons, compactua com o mesmo sentimento, nos fazendo também refletir sobre o medo de perder quem amamos no meio da dualidade do gelo e do fogo. Realmente inspirador, ainda mais com o ritmo cru da banda.

E, para fechar com chave de ouro, "Pray (High Valyrian)" resgata a partitura orquestrada da série com a esfumaçada presença de Matt Bellamy, que discute a escuridão e a luz de um jeito penetrante aos ouvidos. Trata-se de uma experiência quase transcendental que também cumpre a proposta do álbum muito bem, dando vida ao drama, ansiedade e tensão que envolvem a série.